1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Bolseiros angolanos endividados "à deriva" no Brasil

Uma empresa petrolífera de Luanda enviou 72 bolseiros angolanos para o Brasil, mas não está a pagar os estudos dos estudantes, conforme ficou acordado em contrato. A dívida dos estudantes aumenta de dia para dia.

default

Porto Alegre, Brasil

Setenta e dois estudantes angolanos foram enviados para o Brasil pela empresa Litis Petróleo Company, situada em Luanda, capital de Angola.

O grupo candidatou-se a supostas bolsas de estudos para licenciaturas nas áreas de Engenharia e Ciências Económicas. A seleção ocorreu no segundo semestre de 2014 e, em setembro, embarcaram para o Brasil. Eles foram estudar em duas universidades situadas na região sul do país, a UNESC - Universidade do Extremo Sul Catarinense, localizada na cidade de Criciúma, e a Pontifícia Universidade Católica (PUCRS), situada em Porto Alegre, no Estado do Rio Grande do Sul.

Cada estudante desembolsou cerca de cinco mil dólares como co-participação para garantir o benefício. Além disso, cada candidato teve que pagar a sua própria passagem de Angola até o Brasil. A empresa, segundo os bolsistas, ficaria responsável pelo pagamento das mensalidades, durante os cinco anos de curso. Pagaria também uma verba adicional para custear a estadia, alimentação e transporte, entre outras necessidades básicas. Após a conclusão do curso no Brasil, o estudante retornaria ao país de origem onde trabalharia por mais cinco anos na empresa contratada.

"Essa empresa deixou-nos à deriva e estamos sem saber o que fazer", diz um dos estudantes que está a viver na cidade de Criciúma, no Estado catarinense, e prefere não se identificar.

PUCRS Päpstliche Katholische Universität Rio Grande do Sul in Porto Alegre

Entrada da PUC

Despejados de casa

O jovem angolano conta que, na sexta-feira, 8 de maio, ele e os colegas tiveram de deixar o apartamento onde residiam por falta de pagamento - a empresa Litis Petróleo Company não repassou o dinheiro para a imobiliária que alugou o imóvel. A dívida dos estudantes estrangeiros vem crescendo a cada dia que passa. "Estamos com uma dívida alta: o valor da mensalidade, que já é alto, além das dívidas que a própria empresa tinha com a Universidade", refere.

Diplomatas da Embaixada de Angola no Brasil estiveram recentemente em Criciúma para inspecionar a situação dos estudantes. No entanto, não se pronunciaram sobre o assunto. Outro estudante angolano que está em Criciúma, e que também prefere não ser identificado nesta reportagem, pede apoio às autoridades responsáveis.

Ouvir o áudio 04:16

Bolseiros angolanos endividados "à deriva" no Brasil

"Não têm cumprido com as cláusulas do contrato, não temos apoio e necessitamos de apoio", afirma. "Encerrámos o contrato. Cada um está por sua conta. Estamos negociando a dívida com a Universidade."

Sem dinheiro. E agora?

Em entrevista à emissora de televisão pública angolana TPA, Maria Francisco, a mãe de um dos alunos enviados para o Brasil perguntava: "Com essa idade, onde vou conseguir os 1.600 dólares para pagar à Universidade e o dinheiro para ele continuar a estudar?"

Procurada pela DW África, a Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre confirma a matrícula de quatro estudantes angolanos nos cursos de Engenharia Elétrica e Administração. O grupo é bolsista da empresa Litis Petróleo Company, em Luanda, que não paga as mensalidades desde o início do ano letivo. O valor devido não foi revelado pela Universidade, que alega estar em contato com a Embaixada de Angola no Brasil e o Consulado-Geral de Angola para resolução do caso.

A direção da Litis Petróleo foi procurada pela DW, mas não atendeu aos pedidos para dar explicação sobre o assunto.

Brasilien PUCRS Universität Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados