1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Boko Haram volta a fazer dezenas de vítimas na Nigéria

O estado de emergência no nordeste da Nigéria terminou esta quinta-feira (19.11), no mesmo dia em que autoridades da região anunciaram a morte de pelo menos 45 pessoas num novo ataque atribuído ao Boko Haram.

default

Destroços de uma explosão provocada pelo Boko Haram no final de outubro, em Gombe, no Norte da Nigéria

Na capital nigeriana, Abuja, o presidente do Senado, David Mark, viu-se obrigado a ordenar o encerramento das duas câmaras do Parlamento até à próxima terça-feira (25.11), depois de a polícia da Nigéria ter disparado gás lacrimogéneo, aparentemente tentando impedir que os deputados da oposição entrassem no edifício governamental para votar sobre o prolongamento do estado de emergência no nordeste do país.

Na agenda dos membros da Câmara dos Representantes estava a votação sobre o pedido do Governo de Goodluck Jonathan para estender o estado de emergência em Adamawa, Borno e Yobe, os três estados fortemente fustigados pelos ataques do Boko Haram.

A oposição está contra este pedido, classificando o estado de emergência, que vigora há 18 meses, como um "completo fracasso".

Boko Haram Kämpfer

Imagem retirada de um vídeo difundido pelo Boko Haram, na qual se podem ver alguns membros do grupo extremista

"De repente, a polícia estava no prédio, algo que é muito invulgar. Começaram a disparar gás lacrimogéneo e houve confrontos violentos. Os agentes ordenaram que os deputados saíssem do edifício", descreve Uwais Abubakar, correspondente da DW África.

Prolongamento do estado de emergência rejeitado

Zacaria Mohammed, o porta-voz da Câmara dos Representantes, garantiu que antes do encerramento do parlamento a câmara esteve reunida numa breve sessão e decidiu rejeitar a extensão do estado de emergência.

Também o presidente do Senado, David Mark, confirmou que a votação parlamentar foi adiada. Oficialmente, o estado de emergência não foi renovado e terminou esta quinta-feira (20.11).

Ouvir o áudio 03:18

Boko Haram volta a fazer dezenas de vítimas na Nigéria

O Presidente Goodluck Jonathan, atualmente de visita ao Reino Unido, ainda não se pronunciou sobre a questão. Muitos acreditam que no topo da agenda de Jonathan não está a situação no nordeste do país, mas sim as eleições marcadas para fevereiro.

"As eleições não podem, de todo, ser a prioridade neste momento. As pessoas estão preocupadas com as suas vidas e não com política. O Governo deveria ser muito mais sério na questão de salvar a população", lamenta Mairo Mahmud, habitante do estado de Adamawa.

Polícia tinha como alvo membro da oposição

O principal alvo do ataque da polícia, esta quinta-feira (20.11), parece ter sido o líder da câmara dos Representantes, Aminu Tambuwal, cuja saída para o partido da oposição, em outubro, provocou a ira dos seus colegas do Partido Democrático do Povo, no poder.

Nigeria Boko Haram soll offenbar entführte Mädchen freilassen

Cerca de 200 meninas raptadas em abril pelo Boko Haram continuam em parte incerta

Tambuwal é um dos membros da oposição que estão contra o prolongamento do estado de emergência em Adamawa, Borno e Yobe.

Na sua maioria, também os habitantes destes estados estão contra o estado de sítio. Para muitos, a medida serviu apenas para beneficiar os radicais islâmicos do Boko Haram que controlam agora mais territórios do que antes da imposição do estado de emergência.

"Vamos protestar contra isto. Vamos mostrar ao mundo a nossa resistência se aprovarem o estado de emergência outra vez. Estes deputados não estão a fazer o que é melhor para nós, não nos estão a representar", comenta Sale Bakoro, que vive no estado de Yobe.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados