1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Bancos também têm responsabilidade na dívida moçambicana?

Credores internacionais também devem divulgar informações sobre dívidas secretas feitas pelo Governo moçambicano, considera Fernanda Massarongo. A pesquisadora não descarta uma atuação de má-fé por parte dos bancos.

Os bancos Credit Suisse e VTB estão a ser investigados pelo supervisor financeiro britânico no âmbito da reestruturação da dívida da Empresa Moçambicana de Atum (EMATUM), devido a possíveis violações de obrigações de informações prestadas aos investidores no negócio. Segundo a publicação norte-americana The Wall Street Journal, houve investidores que terão adquirido títulos sem terem toda a informação sobre os problemas ligados à polémica empresa.

Numa altura em que o Estado moçambicano é chamado a prestar a contas sobre essa empresa, já que assumiu a sua dívida perante a incapacidade de ela a pagar, questiona-se também o papel desses bancos. A DW África entrevistou Fernanda Massarongo, pesquisadora do Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE).

Fernanda Massarongo

Fernanda Massarongo, pesquisadora do IESE

DW África: Como é que bancos bem conceituados no mercado internacional se arriscam a financiar países considerados à margem do sistema financeiro internacional, sem garantias?

Fernanda Massarongo (FM): Essa é a pergunta que todos fazem e, neste momento, estão a ser levadas a cabo investigações exatamente por causa de todas essas incógnitas. O normal em qualquer banco é fazer uma análise aprofundada sobre qualquer projeto de investimento que lhe é posto à mesa - é preciso avaliar a taxa de retorno, o capital, a relação entre o custo do projeto, a capacidade de payback, etc. [Mas] não me parece que este cuidado tenha sido tomado nos projetos ligados à dívida secreta. Até hoje, a EMATUM [um dos casos financiados pelo Credit Suisse Bank e pelo russo VTB Bank] só tem metade dos barcos. Falo da EMATUM porque é o caso com mais informações disponíveis atualmente. Então, paira a questão: Que tipo de projeto de investimento foi apresentado aos bancos? E que tipo de discussão ou análise de risco foi feita, que testes foram feitos aos planos de negócios? Também paira outra questão: Foi realmente feita uma análise de impacto social dos próprios projetos? Essa é uma questão que não é só nossa, mas de todo o sistema financeiro internacional e, talvez, principalmente dos próprios investidores envolvidos nesse projeto.

DW África: Os investidores na operação de recompra de títulos de dívida da EMATUM dizem que não foram informados de um outro empréstimo concedido pelos mesmos bancos envolvidos na operação. Este é mais um exemplo que nos pode levar a suspeitar que tenha havido má-fé por parte desses bancos?

FM: Acho que ainda é preciso muita investigação para se afirmar alguma coisa. Mas obviamente já circulam informações sobre os gestores de um dos bancos que esteve envolvido nesse processo, sobre a sua ligação com os produtores dos barcos. Penso que, ainda assim, é preciso fazer uma investigação aprofundada para se ter matéria para afirmar que foi má-fé ou desleixo de uma das partes.

Ouvir o áudio 12:10

Bancos também têm responsabilidade na dívida moçambicana?

Até agora a informação está pouco clara, como acontece normalmente em outros casos, e realmente coloca uma hipótese de haver má-fé. Mas boa parte disso está ligado ao boom das commodities. Sabemos que os países africanos beneficiaram do aumento dos preços das principais commodities por volta de 2012 e 2013 e, neste contexto, as expetativas em volta desses países, incluindo Moçambique, eram muito elevadas. Penso que é preciso fazer-se primeiro uma investigação. Seria também importante haver uma maior disponibilização de informação, tanto da parte do Governo como por parte dos próprios bancos.

DW África: Imaginemos que o Governo se recusa a pagar a dívida, assumindo que ela é ilegal, quais seriam as consequências para Moçambique?

FM: Moçambique teria de fazer, neste caso, uma escolha entre privilegiar as relações com os mercados internacionais ou privilegiar a ilegalidade da dívida. E, acreditando que Moçambique está, neste momento, num processo de desenvolvimento que é altamente dependente de capitais externos, seja por via da ajuda, provavelmente seria bastante arriscado recusar-se a pagar essa dívida.

Sabemos que os ratings de crédito das agências de notação financeira internacional baseiam-se também na coerência de políticas do país envolvido. Então, penso que Moçambique talvez poderia ser colocado como um país que não é coerente e que não é credível. Sim, é possível que isso viesse a afetar a sua visibilidade.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados