1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ativistas organizam novo protesto em Luanda contra agressões policiais

Uma das organizadoras do protesto de sábado é Laurinda Gouveia, vítima de agressões e ameaças na última manifestação na capital angolana. "Estamos vivos para dar o nosso testemunho e mudarmos a situação", diz a ativista.

default

Ação policial durante protesto em Benguela em março de 2012

O protesto, marcado para este sábado (20.12), está a ser organizado por um grupo de jovens e conta, pela primeira vez, com a participação de cinco meninas, que subscreveram a carta de protesto entregue ao Governo Provincial de Luanda.

Os ativistas angolanos querem chamar a atenção do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, para o clima de insegurança e violações dos direitos humanos por parte das autoridades.

Uma das organizadoras da manifestação é a jovem ativista Laurinda Gouveia, vítima de agressões policiais no dia 23 de novembro. "Um dos nossos objetivos é pedir que o senhor Presidente se pronuncie, para que se comece a dar o tratamento devido às pessoas, porque a polícia não deve bater na população", disse por telefone à DW África.

Ouvir o áudio 03:35

Ativistas organizam novo protesto em Luanda contra agressões policiais

Ameaça de morte

Questionada se não teme pela sua vida, tendo em conta uma ameaça de morte que lhe terá sido feita por oficiais da polícia nacional e dos serviços secretos, caso fosse vista numa manifestação, Laurinda Gouveia disse estar consciente dos perigos que corre.

"Mesmo com esta ameaça vou participar na manifestação. Muita gente sofre esse tipo de agressão nas mãos da polícia. Graças a Deus, estamos vivos para dar o nosso testemunho e mudarmos a situação", afirmou. "Gostaria que as pessoas, em geral, aderissem a essa manifestação."

Movimento Revolucionário e JMPLA já se encontraram

O protesto surge numa altura em que a JMPLA manteve um encontro com os jovens do chamado Movimento Revolucionário. O desafio fora lançado por Tomás Bica, secretário provincial da juventude do partido no poder em Luanda, com o intuito de conhecer melhor o fundamento da luta dos jovens ativistas.

José Eduardo dos Santos Angola Präsident

Presidente angolano, José Eduardo dos Santos

Adolfo Campos, do Movimento Revolucionário, disse que o encontro serviu apenas para transmitir aos jovens do MPLA que os mesmos não têm "maturidade suficiente" para um debate sobre os problemas do país: "Vamos debater com alguém que ainda defende o Presidente da República, dizendo que ele é um ‘santo' e o melhor? Já estamos fartos disso."

Para o ativista, a única pessoa que se deveria sentar frente-a-frente com o Movimento Revolucionário para debater os problemas do país devia ser o chefe de Estado angolano.

"Porque ele é o dono de todos os poderes no país – do poder económico e financeiro, do setor da defesa… Não há outra pessoa que possamos questionar", afirmou Adolfo Campos. “Se eu falar com o ministro do Interior para saber por que razão se bate todas as vezes em manifestantes, ele não tem resposta para me dar. Ele recebe ordens superiores do Presidente José Eduardo dos Santos. Então, vou debater o quê com essa pessoa?"

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados