1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ativistas angolanos lutam por Marcos Mavungo

Marcos Mavungo está detido há três meses. Os colegas ativistas desdobram-se em reuniões, petições e protestos para que ele seja libertado o mais depressa possível. Até porque Mavungo continua em estado grave na prisão.

Marcos Mavungo foi detido a 14 de março pelo seu envolvimento num protesto contra a alegada má governação e violação dos direitos humanos em Cabinda. Três meses depois, o seu estado de saúde continua grave, confiaram à DW África familiares do ativista. Ele já foi internado três vezes no Hospital Central de Cabinda, vítima de um problema cardíaco.

Na segunda-feira (15.06), um grupo de ativistas falou sobre a situação de Marcos Mavungo com o secretário de Estado para os Direitos Humanos de Angola, a quem pediram uma intervenção direta.

O porta-voz do grupo, Rafael Morais, disse à agência de notícias Lusa que o encontro com António Bento Bembe, o primeiro depois da solicitação de várias audiências, serviu para apresentar as inquietações sobre o processo e o estado de saúde de Mavungo, acusado de crime contra a segurança do Estado.

Defesa não foi notificada

Rafael Morais disse-se, por exemplo, preocupado com o facto de o processo ter sido remetido aos tribunais há mais de 15 dias, sem que os advogados de defesa tenham sido notificados.

"Apresentámos essa preocupação ao secretário de Estado dos Direitos Humanos e o que nos foi dito é que se encontra limitado, uma vez que o processo foi remetido a tribunal e está sob segredo de justiça", afirmou o ativista.

Francisco Luemba Bürgeraktivist aus Cabinda Angola

Francisco Luemba, advogado de Cabinda

Em entrevista à DW África, Francisco Luemba, advogado de Marcos Mavungo, confirma que continua à espera de uma notificação. Para já, o ativista angolano deverá permanecer detido, apesar de ter sido ultrapassado o prazo de prisão preventiva.

"O prazo de prisão preventiva para os crimes contra a segurança do Estado é de 90 dias. Dentro desse prazo, a Procuradoria fechou a instrução preparatória e acusou. O que é estranho é que há mais de 15 dias que o Procurador diz ter elaborado o seu despacho de acusação e remetido o processo ao tribunal, e, até agora, o tribunal não notifica a acusação", afirma Luemba. "A questão do prazo de prisão preventiva já está ultrapassada na medida em que agora, com a acusação, transitamos da fase de instrução preparatória para a fase judicial."

Sendo assim, o ativista deverá ir a julgamento.

"Aqui, as coisas são feitas automaticamente. Mais dia, menos dia somos acusados; depois disso, o tribunal também se vai pronunciar", afirma o advogado de defesa. "Todos agem em conformidade com as ordens que recebem não se sabe de quem, nem de onde, e que são designadas simplesmente como 'ordens superiores'. Portanto, são coisas automáticas, isso não tem nada de Direito nem de Justiça."

Petição para libertação imediata

Entretanto, o ativista Bernardo Puati Tina, historiador e professor em Cabinda, contou à DW África que os signatários de uma petição para a libertação imediata de Marcos Mavungo foram ouvidos pela Procuradoria-Geral de Cabinda.

Ouvir o áudio 03:36

Ativistas angolanos lutam por Marcos Mavungo

"Submeteu-se novamente o processo ao Ministério Público, que não se pronunciou até agora", disse. "Estamos totalmente saturados com esta posição do nosso Governo, que continua a privar as pessoas dos seus direitos, à revelia daquilo que a nossa Constituição prevê."

Puati Tina adiantou ainda à DW África que os ativistas estão a sensibilizar a população para uma nova marcha a ser convocada brevemente, para exigir a libertação imediata e incondicional de Marcos Mavungo.

"Apesar das políticas de medo do Governo, intimidando e desencorajando as populações, vamos fazer os possíveis e usar todos os canais para fazer passar a nossa mensagem, interna e externamente, e para que [a marcha] venha a ter lugar", concluiu o ativista.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados