1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ativistas angolanos da Huíla recebem ameaças de morte

Os ativistas sociais da província da Huíla estão alegadamente a ser ameçados de morte através de chamadas telefónicas, por quererem manifestar-se em apoio aos 15+2 ativistas que estão a cumprir penas de prisão em Luanda.

default

Associação Cidadania Ativa

Chamadas telefónicas anónimas e mensagens com ameaças de morte começaram a ser frequentes depois dos ativistas sociais da Huíla terem recebido uma resposta do governo provincial, que não autorizava a realização de uma manifestação a 9 de abril em apoio ao Jovens Revolucionários de Angola. Desde então, ativistas e até mesmo os seus familiares têm recebido várias ameaças.

Manuel Andrade Custódio, mais conhecido por Mensageiro Andrade, é um dos ativistas visados pelas ameaças e revela o seu espanto: "O que mais me espantou foi o simples facto de nós termos recebido algumas mensagens de ameaça de morte. Diziam-me coisas como “miúdo sabes o preço da paz? Vou-te apagar [matar]“. Eram muitas mensagens. Uma outra dizia que o dia 9, que era o dia marcado para a manifestação, seria o meu funeral", revela.

O Mensageiro Andrade lamenta que os seus familiares também tenham sido ameaçados e que começaram a receber mensagens de pessoas ligadas aos serviços secretos. “Aquilo era muito estranho, todos estavam a temer que iriam fazer alguma coisa com as suas vidas. Não somos inimigos do Estado conforme querem fazer perceber”, garante o ativista.

Ativistas não vão parar

José Macuva, da Associação Cidadania Activa (ACA) é também um dos organizadores e garante que as ameaças não os vão demover. “Vamos continuar, porque não significa que o facto de termos recebido ameaças, nos faça parar. Há muitas pessoas que recebem ameaças mesmo sem fazer nada. Para a frente é que é o caminho", afirma convicto.

Angola Bürgerbewegung Associação Cidadania Activa

Membros da Associação Cidadania Ativa acompanhados de jornalistas

Também para o Padre Jacinto Pio Wacussanga, Presidente da Associação Construíndo Comunidades (ACC) ligada aos Direitos Humanos e sedeada na cidade do Lubango, estas ameaças devem ser denunciadas e condenadas.

"Eu não sei quem é que aconselha os governantes a procederem desta maneira, isto é um ato de completa desumanidade, não tem explicação. É um absurdo, até porque somos uma República chamada Estado Democrático e de Direito", afirma o sacerdote.

Entretanto, o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Rui Mangueira, diz que os cidadãos tém estado a usufruir dos seus direitos de acordo com a Constituição. "Não temos dificuldades de maior em matéria de Direitos Humanos", garante. "A Constituição da Angola está a ser respeitada e a este respeito os nossos cidadãos podem dizer que têm estado a beneficiar do exercício dos seus direitos nos termos da Constituição", conclui Mangueira.

As autoridades alegaram estar a par das ocorrências, mas o porta-voz da Polícia Nacional de Huíla revelou-se indisponível para uma entrevista.

As manifestações continuam a ser organizadas e segundo os ativistas está programada uma atividade no dia 27 de maio, como forma de assinalar o mesmo dia no ano de 1977, quando dezenas de milhares de angolanos foram fuzilados e torturados, na sequência de manifestações em Luanda a favor de Nito Alves.

Defesa dos 15+2 reclamou “habeas corpus” indeferido no Supremo Tribunal

Prozess gegen Aktivisten in Angola

Ativistas 15+2 durante o julgamento

David Mendes, um dos advogados no processo dos 15+2 ativistas, revelou à agência de notícias Lusa, que a defesa reclamou, junto ao presidente do Tribunal Supremo, contra a rejeição do “habeas corpus” pela primeira instância.

O pedido visava permitir que os ativistas aguardassem a decisão sobre os recursos das condenações, que pode ainda demorar dois anos, fora da cadeia. Pelo contrário, os ativistas começaram a cumprir a pena no dia em que foi conhecido o acórdão. Os ativistas estão a cumprir penas que vão até oito anos e meio de prisão.

Após receber o pedido conforme decorre da tramitação processual angolana, o Tribunal de Luanda rejeitou o “habeas corpus” na semana passada, alegando não ter competência para decidir sobre o mesmo.

O juiz da primeira instância indeferiu o pedido, quando não tinha competência para o fazer. Porque o “habeas corpus” é dirigido ao juiz presidente e não ao juiz da causa", afirmou o advogado. Na reclamação apresentada solicita-se que se ”mande subir para o Supremo” o recurso interposto e indeferido pelo tribunal de Luanda.

Ouvir o áudio 02:11

Ativistas da Huíla recebem ameaças de morte

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados