Aposta em energias renováveis pode ser alternativa em África, dizem especialistas | NOTÍCIAS | DW | 04.07.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Aposta em energias renováveis pode ser alternativa em África, dizem especialistas

África está na rota do investimento em energia eólica e Moçambique e Angola estão a dar os primeiros passos nesse sentido. Este foi um dos assuntos em foco na Conferência Mundial de Energia Eólica, em Bona.

Zahlreiche Windkrafträder drehen sich am 22.9.2003 bei stürmischen Winden am Deich bei Niebüll. Die Windbranche in Deutschland steht nach Ansicht des Vizepräsidenten des Bundesverbandes Windenergie (BWE), Albers, am Scheideweg. Die zentrale Frage ist, ob die zu erwartenden Umsatzrückgänge durch den Export kompensiert werden können, sagte Albers der dpa am 23.9. am Rande der Messe HUSUMwind 2003. Die zunächst von einem Boom verwöhnte Windindustrie muss erstmals in diesem Jahr einen deutlichen Rückgang der Umsätze hinnehmen, den der BWE-Experte auf bisher knapp 25 Prozent bezifferte. Dieser Trend werde sich fortsetzen, wenn die Politik nicht gegensteuere. Als Gründe nannte Albers, dass die Finanzierungswirtschaft, also die Banken, mit eigenen wirtschaftlichen Problemen zu kämpfen habe.

Windkrafträder Windbranche Energie

Os dados são recentes, mas deixam já antever um grande potencial de aproveitamento dos recursos renováveis em vários países africanos. Quem o diz é o director do Centro de Inovação e Tecnologia da IRENA, Agência Internacional de Energia Renovável. Dorf Gielen é apenas um dos muitos especialistas que estiveram em Bona durante esta semana, para participar na conferência organizada pela Associação Mundial de Energia Eólica e pela sua congénere alemã.

40 sessões, 200 apresentações e especialistas de 50 países centraram-se durante 3 dias na utilização da energia eólica. A certeza, entre organizadores e participantes, é de que está a acontecer uma transformação no sistema de energia, a nível mundial.

Na terca-feira, à margem da abertura do evento, o director do Centro de Inovação e Tecnologia da IRENA falou à DW sobre Moçambique e Angola: dois dos países africanos que apresentam condições para apostar em energias limpas.

Die Sonne geht am Samstag (29.08.2009) hinter einer Windkraftanlage in der Nähe von Kiel auf. Das Wetter wird am Samstag (29.8.2009) wechselhaft mit Gewittern und Temperaturen um 18 Grad. Foto: Angelika Warmuth dpa/lno +++(c) dpa - Report+++

O mapeamento das potencialidades do território moçambicano para aposta em energia eólica revelou-se positivo

Em Angola e Moçambique dão-se os primeiros passos

De acordo com Dorf Gielen, a agência terminou recentemente “um estudo sobre a capacidade de Mocambique aproveitar os seus recursos renováveis”, tendo descoberto que “o país está agora a começar a mapear o seu potencial de recursos eólicos”.  O relatório revela que determinadas áreas de Moçambique apresentam um “potencial interessante”, nas palavras do responsável.


Dorf Gielen considera ainda que “tanto Moçambique como Angola foram abençoados com um enorme potencial de energia hidroeléctrica, que é uma energia muito barata”. E acrescenta: “Deve dar-se prioridade à promoção de grandes projectos deste tipo de energia e isso pode ser depois complementado com a eólica, biomassa, ou até mesmo energia geotérmica, no caso de Moçambique.”

Energia renovável é opção em África mas encontra dificuldades

Este ano, a conferência mundial de energia eólica foi dedicada ao poder das comunidades. Os recursos renováveis, na opinião de Dorf Gielen, representam mesmo uma alternativa única num continente onde nem toda a população tem acesso a energia: “O que acontece, por exemplo, em África, é que as infra estruturas centralizadas e os governos não são capazes de fornecer energia suficiente às

###Die redaktionelle Verwendung der Bilder ist kostenfrei. Bitte beachten Sie die Copyright-Hinweise und senden Sie einen Beleg und eine Benachrichtigung an press(at)repower.de. #### Windprojekt Goodnoe Hills USA REpower MM92 (Foto: Dennis Schwartz) http://www.repower.de/de/presse/media-center/bildarchiv/

Dificuldades no aproveitamento dos recursos renováveis em África prende-se com infra-estruturas, ligação à rede e tecnologias limitadas

comunidades locais. E a energia renovável, com os seus projectos relativamente pequenos, oferece, por isso, uma oportunidade especial de levar energia a estas comunidades”, explica o especialista.


Uma oportunidade que, ainda assim, encontra alguns obstáculos pelo caminho: “Por exemplo, no Quênia, há já algum tempo, estão a tentar construir um grande parque eólico. E os desafios, aí, estão muito relacionados com as infra estruturas”, exemplifica, acrescentando que “não há estradas para levar as turbinas eólicas para as zonas com as melhores condições de vento e não há ligação à rede”.

Investimento nas energias limpas não pode vir apenas do exterior

Dorf Gielen questiona-se: “quem é que vai pagar estas infra estruturas, que aumentam consideravelmente o custo total do projecto?”

No caso dos países africanos que estão a procurar apostar na energia renovável, de acordo com o director do Centro de Inovação e Tecnologia da IRENA, o apoio internacional é necessário, mas não deve ser exclusivo: “As opiniões dividem-se quanto a um modelo de desenvolvimento puramente baseado em ajuda externa. A grande prioridade deve ser criar as políticas certas. Os investimentos e o conhecimento seguir-se-ão”. Ainda assim, diz o especialista, “claro que a cooperação internacional pode ajudar a acelerar este processo e estamos a tentar envolver-nos nisso”.

Autora: Maria João Pinto
Edição: António Rocha

Ouvir o áudio 03:33
Ao vivo agora
03:33 min

Aposta em energias renováveis pode ser alternativa em África, dizem especialistas

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados