1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Antigos trabalhadores da África Têxtil querem processar Estado de Angola

Mais de 400 trabalhadores estão cansados de promessas por cumprir. Exigem salários e indemnizações em atraso, há 14 anos, desde o encerramento da fábrica de tecidos nos arredores de Benguela.

default

Comissão Sindical dos Trabalhadores da antiga África Têxtil

Enquanto o Governo angolano aplica 480 milhões de dólares (mais de 360 milhões de euros), por via de um financiamento do Japão, para o relançamento da África Têxtil, os antigos trabalhadores reivindicam os seus direitos.

“Pedimos ao nosso Governo para que olhe para os trabalhadores da empresa África Têxtil que, neste momento, está a ser reabilitada, e que olhe para a questão dos trabalhadores abandonados e resolva os problemas dos salários em atraso e indemnizações”, apela um antigo funcionário da fábrica de tecidos.

Localizada na província de Benguela (oeste de Angola), a África Têxtil foi inaugurada em 1974 e fechou portas em 1999. Os mais de 400 trabalhadores continuam, desde essa altura, a reivindicar ordenados e indeminizações em atraso.

Ort: Benguela, Angola Fotograf: Nelson Sul D'Angola (DW) Datum: September 2013 Rogerio Cabral ist der Vorsitzende des Gewerkschaftsausschusses beim Unternehmen Africa Textil

Rogério Cabral, presidente da Comissão Sindical dos Trabalhadores

Até agora, o governo angolano não fez mais que promessas para resolver a situação. Mas a Comissão Sindical dos Trabalhadores da antiga empresa continua sem ver qualquer resultado.

“A Comissão Sindical, junto das entidades competentes, tem sempre feito todo o esfoço para se repor a legalidade salarial, as indemnizações e a reforma. Mas o ministério da tutela apenas promete, não faz. Por exemplo, neste preciso momento estão em curso vários contactos com deputados da Assembleia Nacional, mas até aqui só nos prometem, de ano a ano, de mês a mês”, lamenta Rogério Cabral, presidente da Comissão Sindical dos Trabalhadores.

Agora, os antigos trabalhadores da fábrica de tecidos pretendem levar o Estado angolano a tribunal, caso a situação não seja resolvida ainda este ano.

A vida dos antigos trabalhadores degrada-se

A situação tem estado a gerar muito descontentamento e problemas socias entre os antigos trabalhadores e suas famílias.

Manuel Cidade

Manuel Cidade, antigo trabalhador da África Têxtil

António Manuel Cidade, na casa dos 70 anos de idade, começou a trabalhar na África Têxtil em 1977, onde permaneceu até a data da paralisação em 1999. Cansado das promessas do Governo angolano, Manuel Cidade assiste à degradação da vida dos seus antigos colegas de trabalho.

“Pela palavra do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola, o partido no poder) diz-se que o mais importante é resolver os problemas do povo, mas no fundo estamos a ver que o mais importante é afundar este ou aquele cidadão. Temos colegas que estão a morrer porque não têm por onde pegar. Estamos cansados de promessas”, afirma António Manuel Cidade.

África Têxtil deve voltar a laborar em 2014

A fábrica de tecidos de Benguela, que está a ser reabilitada, através de um crédito japonês concedido ao Estado angolano, deverá voltar a entrar em funcionamento em 2014.

Benguela

A província de Benguela deve voltar a produzir tecidos a partir de 2014

No entanto, circulam informações, não confirmadas oficialmente, que apontam que após a conclusão das obras a fábrica possa ser privatizada a favor de empresas alegadamente ligadas a generais próximos do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

O relançamento da África Têxtil faz parte de um programa mais amplo que visa relançar o sector industrial têxtil no país, que inclui as empresas Textang, em Luanda, e a Satec, na província do Kuanza Norte.

Citado pela Angop, a agência estatal angolana de notícias, o secretário de Estado da Indústria, Paulo Caita, fez saber que, quando a África Têxtil começar a funcionar, no próximo ano, poderá criar 900 novos postos de trabalho.

Isto numa altura em que os antigos trabalhadores vêm apelando para que, mais do que reabilitar a África Têxtil, o governo deve olhar para a situação dos antigos trabalhadores que se sentem abandonados.

Ouvir o áudio 03:34

Antigos trabalhadores da África Têxtil querem processar Estado de Angola

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados