1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Antigos combatentes de Moçambique manifestam-se contra governo de gestão proposto pela RENAMO

A Associação de Antigos Combatentes de Luta de Libertação Nacional (ACLIN) repudia a postura da RENAMO e de Afonso Dhlakama, de quererem formar um governo de gestão ou governar nas províncias onde teve a maioria de voto.

default

Combatentes da FRELIMO e população local durante a guerra colonial (foto do ano de 1968)

A ACLIN reuniu-se na semana passada na cidade da Beira para analisar, entre outras matérias, a situação política do pais, depois das eleições de 15 de outubro. O presidente da ACLIN disse aos jornalistas que a RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana), o maior partido da oposição, e o seu lider Afonso Dhlakama estão a "desorientar os mocambicanos". A agremiação de veteranos apelou ao povo para que se mantenha calmo até à validação dos resultados eleitorais, que acontecerá esta terça-feira (30.12.).

Ouvir o áudio 02:46

Antigos combatentes de Moçambique manifestam-se contra governo de gestão proposto pela RENAMO

Veteranos: "Prontos para lutar contra Dhlakama"

Vários membros da ACLIN disseram à DW que combateram o colonialismo português com o objectivo de libertar o homem e a terra, mas "hoje a RENAMO vem a publico assumir de viva voz que vai dividir o país".

José Maurício e Marta Isaac, combatentes de luta de libertação nacional, em entrevista à DW África, mostraram-se mesmo preparados para pegar novamente nas armas e lutar "contra a divisão dos pais": "Estamos a repudiar o que fala o Senhor Dhlakama! A nossa independência custou sangue. Nós estamos prontos para lutar contra Dhlakama!"

Mosambik Afrika Wahlen Wähler Wahlstand Urne

As eleições de 15 de outubro foram contestadas pelos partidos da oposição moçambicana

Afonso Dhlakama não aceita resultados oficiais

Recorde-se que o partido RENAMO, maior forca politica de oposição em Moçambique está determinado em manter o braço de ferro com o governo em Maputo. Afonso Dhlakama propôs "um governo de gestão ou de transição em Moçambique" constituido por membros do seu partido RENAMO e também por membros do partido FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique).

O líder da RENAMO iniciou um périplo pelo país que foi encerrado na Gorongosa, onde se realizou uma sessão do Conselho Político do partido. A Gorongosa é o bastião natural do "partido da perdiz".

Braço de ferro à vista na nomeação de administradores e governadores

Afonso Dhlakama

Afonso Dhlakama, líder da RENAMO, exige a formação de um governo de gestão e ameaça dividir o país

Afonso Dhlakama garantiu à população de Gorongosa que a partir de janeiro de 2015, o administrador daquele distrito será por ele nomeado. Também anunciou que irá nomear os governantes das províncias, onde a RENAMO obteve a maioria de votos no escrutínio de 15 de outubro. Segundo a Constituição de Moçambique cabe ao Presidente do país nomear os governadores das onze províncias do país. A nomeação dos administradores distritais é normalmente feita pelo Ministério da Administração Estatal.

Afonso Dhlakama encontra-se, desde 21 de Dezembro em curso, na província de Sofala, onde espera pela validação oficial dos resultados das eleições que acontece nesta terça-feira (30.12.2014).

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados