Angolanos indignados com proposta de mudanças na Lei da Nacionalidade | Angola | DW | 07.10.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angolanos indignados com proposta de mudanças na Lei da Nacionalidade

Movimento Revolucionário anunciou para o próximo sábado (11.10), mais um protesto, em Luanda. Desta vez, para contestar propostas de alterações na Lei da Nacionalidade. Modificações possibilitam a cidadania em três anos.

A manifestação do grupo de jovens angolanos do Movimento Revolucionário visa denunciar uma proposta de alteração à Lei da Nacionalidade, que contém 26 modificações, enviada à Assembleia Nacional pelo Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos.

Se a proposta for aprovada, o chefe de Estado passa a ter a faculdade de conceder a nacionalidade angolana, por naturalização, a estrangeiros que tenham prestado, ou sejam chamados a prestar, serviços considerados relevantes ao Estado.

De forma geral, está apenas consagrada a necessidade do conhecimento suficiente da língua portuguesa.

Angola Präsident Jose Eduardo dos Santos

Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, quer conceder a nacionalidade angolana, por naturalização, a estrangeiros que tenham prestado, ou sejam chamados a prestar, serviços considerados relevantes ao Estado

Fora da lei

Para o Movimento Revolucionário, as modificações a serem introduzidas na Lei da Nacionalidade vão contra a Constituição do país e, por isso, exige a revogação da proposta.

"Obviamente, não aceitamos que o Presidente da República assuma este trabalho. Quer dizer, ele é o dono do país, quem tem que dar o período de em quanto tempo as pessoas devem se tornar nacionais. Isto é uma irregularidade total," critica Adolfo Campos, representante do Movimento Revolucionário.

De acordo com o ativista, Angola não está preparada para tal. Campos se diz contra o prazo de três anos para conseguir a nacionalidade angolana. "Em nenhuma parte do mundo isso é aceitável," afirma.

Questiona-se também o português como pré-requisito.

"Obviamente que, ele [o Presidente] está a dizer que os portugueses devem voltar e colonizar novamente Angola. Nós não vamos aceitar isso, porque não vamos aceitar uma nova colonização em Angola. Nós temos um país e este país, Angola, é dos angolanos," defende.

O Movimento Revolucionário está a pedir que esta lei seja revogada da Assembleia Nacional "e isto nós vamos pedir até o último minuto," garante.

Cidade do Kilamba - Kilamba Kiaxi Übersicht

O bairro Kilamba (foto), em Luanda, foi construído por uma empresa chinesa. A participação estrangeira nas obras de infraestrutura em Angola é notável

Benefícios para as autoridades

Perguntamos ao porta-voz do Movimento Revolucionário se as autoridades angolanas teriam algum benefício com a alteração da Lei da Nacionalidade?

"A parceria é tanta com os estrangeiros, e obviamente querem acumular os estrangeiros cá em Angola. Eles esqueceram-se que, este mesmo estrangeiro um dia vai se tornar angolano. Depois vão botar eles fora desses negócios em que eles estão envolvidos," considera.

Apesar de ser crítico em relação à proposta de alteração da lei, Adolfo Campos deixa claro que "não é contra a presença dos estrangeiros em Angola, mas sim contra a nacionalidade, que está a ser feita pelo Presidente da República, contraria automaticamente a nossa Constituição".

Demonstration gegen die Ermordung zweier Oppositioneller in Luanda

Em Angola, é comum a repressão às manifestações anti-Regime. Na foto, manifestantes protestam contra o assassinato de Isaías Cassule e Alves Kamulingue, em novembro de 2013

A reação do Governo

Em entrevista à DW África, Adolfo Campos, porta-voz do Movimento Revolucionário, disse que ao Governo Provincial de Luanda foi entregue uma comunicação concernente à realização da manifestação e que cabe agora às autoridades zelar pela segurança dos integrantes da marcha.

Mas os jovens consideram que a reação do Governo, quando da entrega do documento, não foi coerente.

"O governador da província não se pronunciou conforme deveria fazer, porque a resposta que ele dá é aconselhar-nos em que nós devemos ir à Assembleia Nacional reclamar. Não cabe ao governador nos dizer isto," reclama.

De acordo com Adolfo Campos, o governador pede aos jovens para ir ao comando da polícia, dar a conhecer à polícia a realização do evento. "Este não é o nosso dever, não é o nosso trabalho, porque a nossa Constituição diz que o Governo da província deve fazer este trabalho," avalia.

O jovem discorda do governante em um terceiro ponto e diz não entender "onde é que está a capacidade dos nossos líderes." "Ele diz que só tomaram posse agora, que não têm condições para salvaguardar a vida dos manifestantes, neste dia," revela.

Segundo Adolfo Campos, o Governo de Luanda não rejeitou a manifestação, mas também não deu o aval para a sua realização. Contudo, para o Movimento Revolucionário, foram cumpridas todas as formalidades que a lei exige.

"Sentimos que estamos consagrados, em termos da lei. Nada nos vai parar, porque eles não justificaram algum artigo, por acaso, que possa parar a manifestação," garante.

Ouvir o áudio 05:29
Ao vivo agora
05:29 min

Angolanos indignados com proposta de mudanças na Lei da Nacionalidade

Uma luta de todos

A manifestação permanece, assim, marcada para começar às 13 horas de sábado (11.01), no Largo da Independência, em Luanda.

Sobre o possível apoio de outras forcas políticas, Adolfo Campos diz que "se os partidos políticos também puderem aderir a esta manifestação, nós pedimos o apoio de todos".

Para o representante do Movimento Revolucionário, trata-se de "um problema nacional" e, portanto, espera-se que todos compareçam.

"É um problema que engloba o próprio MPLA [Movimento Popular de Libertação de Angola], a UNITA, a CASA-CE [Convergência Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitora], PRS [Partido de Renovação Social], FNLA [Frente Nacional de Libertação de Angola], seja lá qual for, o Bloco Democrático [BD], todos os partidos presentes neste momento e, inclusive, a sociedade civil," avalia.

Entre os que também contestam a proposta de lei, está a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição no país, que alegou a inconstitucionalidade nas alterações propostas pelo Presidente.

Nito Alves

Em Angola, manifestantes são reprimidos pelo reginme. O jovem Nito Alves (foto), foi preso por mandar fazer uma camiseta em que definia o Presidente como "ditador"

Manifestantes em risco?

Perguntamos se, face a este quadro, os participantes na manifestação de sábado não irão correr algum perigo.

Adolfo Campos responde que "obviamente não será surpresa. Mesmo que houver mais turbulências, não é surpresa para nós, porque já tem acontecido."

Segundo Campos, o risco sempre existe, porque "desde a primeira manifestação que realizamos a 7 de março de 2011 até a data presente, nunca tivemos uma manifestação onde a polícia ou o governador protegeram os manifestantes".

O jovem destaca que as autoridades em Luanda sempre foram informadas sobre a realização dos eventos, como exige a lei. Apesar disso, "já estamos habituados a levar surras, a levar porretes, a ser seqüestrados, até inclusive mortes," lamenta.

Adolfo Campos faz ainda um pedido aos manifestantes: "nós apelamos a todos, que sejam sempre pacíficos."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados