1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Angola tem a primeira instituição de ensino superior dedicada às pescas

A Academia de Pescas e Ciências do Mar do Namibe foi inaugurada, na segunda-feira (17.07), em Moçâmedes, no litoral sul de Angola. Prevê acolher 5.400 alunos em cinco anos.

Desde maio, a Academia já recebeu 576 alunos que frequentam o primeiro ano dos vários cursos. Já a primeira residência de acolhimento, com capacidade para 120 estudantes, abre portas em fevereiro de 2018.

Um dos objetivos prioritários é receber uma centena de estudantes de países vizinhos, como Namíbia ou África do Sul, ou de língua portuguesa, afirmou Carmen Van-Dúnem dos Santos, coordenadora da comissão de gestão da Academia de Pescas e Ciências do Mar do Namibe, na inauguração da instituição que contou também com a presença do vice-Presidente da República, Manuel Vicente.

A instituição de ensino superior, que funcionará com faculdades de Pesca, de Processamento de Pescado e de Exploração de Recursos Aquáticos, encontra-se organizada em cinco edifícios e conta com 30 laboratórios para investigação científica e para recriar em terra as aulas práticas a ministrar, posteriormente, no navio-escola, que chegará durante a terceira fase da obra.

Bildergalerie Angola Luanda VIP

A economia do mar representa uma fatia residual da geração de riqueza em Angola

A Academia de Pescas e Ciências do Mar do Namibe é um projeto lançado há cerca de uma década com o apoio do Governo da Polónia, que disponibilizou 65 milhões de euros do financiamento necessário às duas primeiras fases -  já concluídas e que representaram um investimento de 96,8 milhões de euros -, bem como parte do corpo docente.

Apesar de Angola ter uma longa costa de 1.650 quilómetros e uma Zona Económica Exclusiva de 330 mil quilómetros quadrados, a economia do mar representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto do país.

Por isso, durante a inauguração da obra, Victória de Barros Neto, ministra das Pescas de Angola, sublinhou: "há uma enorme variedade de recursos marinhos que podem ser adequadamente e devidamente aproveitados, se tivermos capacitação, formação e uma investigação científica aplicada ao desenvolvimento da economia azul".

Leia mais