1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola prepara candidatura de Mbanza Congo a Património Mundial

Mbanza Congo, na província angolana do Zaire, será candidata a Património Mundial da Humanidade. A Ministra da Cultura de Angola falou com a DW África sobre esta candidatura e sobre os impactos que poderá ter no país.

default

Mbanza Congo, na província do Zaire

Angola está em fase de preparação da apresentação da candidatura da cidade histórica de Mbanza Congo, na província do Zaire, a Património Mundial da Humanidade. A ministra da Cultura de Angola, Rosa Cruz e Silva, encontra-se em Bona, na Alemanha, juntamente com uma delegação da província do Zaire, para promover esta candidatura na 39ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO (Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).

Em declarações à DW África, Rosa Cruz e Silva sublinhou alguns dos fatores culturais e históricos que fazem da antiga capital do Reino do Congo uma boa candidata a Património Mundial da Humanidade.

“Consideramos muito importante que a cidade de Mbanza Congo seja uma capital que produziu alguns elementos na sua História, já depois da presença portuguesa, relacionados com o Cristianismo. Por exemplo, temos a primeira catedral, o primeiro bispo e o primeiro embaixador no Vaticano, e temos vestígios dessa presença religiosa: as ruínas da catedral Kulumbimbi (Catedral de São Salvador do Congo), e as ruínas de alguns conventos que também fazem parte do património.”

World Conference Center Bonn Rosa Cruz e Silva

Rosa Cruz e Silva, ministra da Cultura de Angola, durante a 39ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO

A ministra referiu ainda outras caraterísticas e práticas da região, que lhe conferem valor histórico e cultural.

“O espaço onde se instalou a antiga capital é um espaço que tem em seu redor 12 fontes de água, e oito dessas fontes continuam a funcionar, dando água à sua população. Têm uma existência muito antiga, muito anterior ao século XV, e cumprem uma função atual, quer do ponto de vista simbólico quer do ponto de vista prático”.

Na cidade de Mbanza Congo, segundo Rosa Cruz e Silva, “ocorrem ainda algumas práticas políticas de tempos antigos. Há um tribunal costumeiro onde, ainda hoje, todas as quintas-feiras se faz o julgamento de casos da vida quotidiana da população, nomeadamente os adultérios, roubos, entre outros. É uma atividade simbólica mas com um significado muito grande para a população, e é uma forma de preservação do legado histórico.”

Outro elemento importante, refere a ministra, é a existência de uma árvore sagrada, que faz parte “do património natural, mas ao mesmo tempo religioso da região”, e “o museu dos reis do Congo, onde se encontram alguns objetos dos reis do Congo.” A diáspora, conclui, também é importante, pois “reproduz pelo mundo elementos culturais do antigo Reino do Congo.”

“Estes elementos são os nossos grandes argumentos, tendo em conta a excepcionalidade que se exige numa candidatura de uma cidade histórica como Mbanza Congo”, diz a ministra da Cultura.

“Foi uma longa caminhada”

Rosa Cruz e Silva mostra-se confiante quanto à aprovação da candidatura, que tem por base um amplo trabalho arqueológico e de investigação.

World Conference Center Bonn

Centro de Congressos em Bona, na Alemanha, onde se realizou a 39ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO

“Para termos uma candidatura de acordo com os critérios que a UNESCO nos propõe, foi preciso fazer uma longa caminhada. Foi feito trabalho do ponto de vista arqueológico para comprovar a existência de ruínas de infra-estruturas do século XV e XVI. Desde 2009 as equipas o Ministério da Cultura começaram a trabalhar com os consultores da UNESCO, com algumas universidades nacionais e internacionais, com professores de renome, e com estudiosos do Reino do Congo. Também trabalhámos com especialistas da Universidade Agostinho Neto e do próprio Ministério da Cultura. Houve pesquisa material que se foi buscar ao Vaticano e vieram arqueólogos da Universidade de Coimbra (Portugal)”, refere.

“Na nossa região não há bens culturais, mas sim naturais, e portanto este vai ser o primeiro bem histórico e cultural. Por essa razão, nós estamos absolutamente confiantes com o trabalho que realizámos. Talvez por isso tenhamos demorado bastante tempo, mas não queríamos deixar de parte nenhum fator que pudesse contribuir para reforçar a nossa candidatura”, conclui Rosa Cruz e Silva.

Impacto positivo no turismo

A Ministra da Cultura de Angola acredita que, caso Mbanza Congo seja declarado Património Mundial, o impacto será bastante positivo para o país, particularmente na área do turismo e da preservação da cultura angolana.

“Terá seguramente um impacto no turismo religioso que se pratica em Angola, e no turismo cultural”, refere. “ A classificação como Património Mundial e todas as ações que estamos a desenvolver para a preservação da cidade, irão, do nosso ponto de vista, trazer mais visitantes e mais turistas, e acreditamos que vamos contribuir para aumentar a renda do nosso país e da província do Zaire.”

Angola lançou em 2007 o projeto “Mbanza Congo: Cidade a Desenterrar para Preservar”, com o apoio de instituições como a Universidade de Coimbra, em Portugal, que também é património mundial da UNESCO. A decisão sobre a candidatura será tomada até junho de 2016.

Ouvir o áudio 05:21

Angola prepara candidatura de Mbanza Congo a Património Mundial

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados