1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola aguarda por mais de 2,3 milhões de doses da vacina contra a febre-amarela

Angola deverá receber este fim de semana (25/26.06.) mais de 2,3 milhões de doses de vacina contra a febre-amarela, epidemia que já matou até agora 347 pessoas no país informou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

default

Mosquito transmissor da febre-amarela

A gestão das reservas mundiais de vacinas contra a febre-amarela, cólera e meningite, para situações de emergência, é assegurada pelo International Coordinating Group (ICG), criado por organizações internacionais, incluindo a OMS e a UNICEF, em 1997. Este organismo terá atribuído a Angola 2,3 milhões de doses adicionais da vacina, esperadas ao longo deste fim de semana, divulgou a agência de notícias Lusa.

Recorde-se, que a mesma fonte noticiou a 19 de junho que a OMS assumiu que a resposta à epidemia de febre-amarela em Angola, que se propaga desde dezembro, levou pela primeira vez à rutura das reservas mundiais de emergência da vacina.

A informação consta de um recente relatório da OMS sobre a propagação da epidemia de febre-amarela de Angola, a outros países africanos, como a República Democrática do Congo.

Angola Luanda Impfkampagne Gelbfieber

Campanha de vacinação contra a febre-amarela em Luanda (21.02.2016)

"A resposta ao surto de Angola esgotou as reservas globais de seis milhões de doses de vacina contra a febre-amarela, duas vezes este ano. Isso nunca aconteceu antes. No passado, o ICG nunca usou mais de quatro milhões de doses para controlar um surto num país", admitiu então a OMS.

347 pessoas já morreram em Angola

Até 20 de junho, a epidemia matou em Angola 347 pessoas, dos quais 115 casos foram confirmados laboratorialmente. Além disso, todas as províncias "têm casos confirmados laboratorialmente" e em 11 ocorre já "transmissão local" da doença.

"As campanhas de vacinação em larga escala que começaram em fevereiro atingiram quase 11 milhões de pessoas, de uma população alvo de 13.484.215", explica a OMS, em Luanda, que admite vir a incrementar o apoio a Angola.

"A OMS continuará a trabalhar com parceiros para ampliar os recursos humanos, logísticos, financeiros e outros necessários para que as equipas de resposta estejam presentes em todas as províncias de Angola onde casos foram relatados ou onde há alto risco. A OMS também prosseguirá os seus esforços de mobilização de recursos à medida que mais recursos são necessários para enfrentar os desafios operacionais em Angola", referiu a instituição.

Militares angolanos participam nas campanhas de vacinação

Angola Luanda stehendes Wasser in Luanda

Águas paradas em Luanda: terreno fértil para a multiplicação de mosquitos

As campanhas de vacinação em Angola recorrem ao apoio dos militares e contam com ajuda financeira e técnica da OMS e da comunidade internacional, para a aquisição de vacinas, tendo arrancado em Luanda, foco da epidemia, nos primeiros dias de fevereiro.

Lembramos que o ministro da Saúde de Angola, Luís Gomes Sambo, anunciou a 23 de maio, em Genebra, querer vacinar cerca de 24 milhões de pessoas, ou seja "toda a população-alvo" da atual epidemia de febre-amarela, mas admitiu que não havia no mercado vacinas suficientes.

OMS lança em julho campanha de vacinação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que vai lançar uma campanha de vacinação de emergência em Angola e na República Democrática do Congo (RDCongo) para deter o surto de febre-amarela na região.

De acordo com um comunicado da OMS, como o surto de febre-amarela continua na região, a agência da ONU vai lançar uma campanha de vacinação de emergência na RDCongo, na fronteira de Angola e na capital congolesa, Kinshasa, para deter a epidemia e o risco de propagação internacional.

A fase inicial da campanha inicia-se em julho e irá concentrar-se em distritos com alta circulação de pessoas e atividades comerciais intensas, especialmente em distritos na fronteira norte de Angola e em distritos que fazem fronteira com países vizinhos.

Gelbfiebermücken

Mosquitos de febre-amarela num laboratório alemão

Especificamente, entre 75 a 100 quilómetros de distância da fronteira entre Angola e a RDCongo, tendo também como alvo as zonas/comunidades em risco na cidade de Kinshasa. Isto irá criar uma área "tampão" imune para impedir a propagação internacional.

Triagem nos principais pontos de entrada

Angola e RDCongo estão a ser apoiados pela OMS e outros parceiros para fortalecer a triagem da febre-amarela nos principais pontos de entrada, incluindo Luanda, Kinshasa, Lubumbashi e Matadi. A vacinação está a ser oferecida nesses pontos de entrada para os viajantes elegíveis.

Desde 13 de junho de 2016, em três países - China, Quénia e República Democrática do Congo - foram relatados casos ligados ao surto de Angola. Na RDCongo, segundo o Ministério da Saúde, ocorreram cinco casos fatais e há ainda mais de mil casos suspeitos.

A transmissão da doença é feita pela picada do mosquito (infetado) "aedes aegypti". Trata-se do mesmo mosquito responsável pela transmissão da malária, a principal causa de morte em Angola, e que se reproduz em águas paradas e na concentração de lixo, dois problemas (época das chuvas e falta de limpeza de resíduos) que afetaram a capital angolana desde agosto passado.

Angola Müll in Luanda

Saneamento básico é um grande problema em Angola

Leia mais