1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola é o terceiro país com pior alimentação do mundo

A ONG Oxfam avaliou a situação alimentar de 125 países e colocou Angola entre os três países com maior índice de subnutrição do mundo. Moçambique e a Guiné-Bissau também se encontram entre os 30 piores colocados.

Um em cada oito cidadãos do mundo "vai para a cama com fome todas as noites, apesar de existir comida suficiente para toda a gente". Esta é a ideia que o relatório da organização não-governamental Oxfam quer sublinhar, garantindo que é o consumo excessivo, a má utilização dos recursos e o desperdício que contribuem para que centenas de milhões de pessoas fiquem sem alimento. O índice "Good Enough to Eat" ("Suficientemente bom para comer") coloca os europeus Holanda, França e Suíça como os três países com melhor nutrição no mundo, enquanto paralelamente, entre os 30 piores países cotados, há 26 africanos, neles incluídos Angola, Guiné-Bissau e Moçambique.

Chade, Etiópia e Angola são os três piores classificados

No caso angolano, que é considerado o terceiro país com maiores problemas de nutrição no mundo, Deborah Hardoon, pesquisadora da Oxfam, diz que não é a falta de comida que atira o país para o fim da tabela mas são essencialmente os preços elevados que se praticam sobre os produtos alimentares.

Flüchtlingskind in Angola

16% das crianças angolanas estão abaixo do peso ideal segundo a Oxfam

"Nos dados relativos à fome e à qualidade da comida, que contem a diversidade nutricional e acesso a água potável, Angola atingiu maus resultados". Contudo, destaca a pesquisadora que "é o factor da volatilidade dos preços da comida que atira Angola para as piores posições". Ela explica que em Angola assistimos a "valores muito altos de venda de comida e um recorde de instabilidade no preço dos alimentos".

75% do rendimento individual é gasto em comida

A Oxfam alerta que os preços elevados dos alimentos impõem um enorme custo, equivalendo até 75% do rendimento individual em comida. A organização acrescenta que a classificação de Angola reflete a inflação elevada e instável que tem afetado toda a economia do país na última década, tornando difícil aos angolanos a tarefa de poupar e pagar as suas necessidades básicas. Hoje encontra-se no país 16% das crianças abaixo do peso ideal e 24% da população subnutrida. Para Deborah, o combate à fome tem que ser encarado como uma prioridade real dos executivos dos países, particularmente africanos, onde os índices de fome atingem maiores proporções.

Bildergalerie Wasser in Angola

Quase metade da população angolana não tem acesso a água potável

"Eu penso que quando as crianças estão abaixo do peso e subnutridas, que o combate à fome se deve tornar uma total prioridade para os Governos. Não só para o combate do dia-a-dia, onde as pessoas são incapazes de se alimentar, mas por um futuro a longo termo do país, pela produtividade das pessoas e pela prosperidade das crianças". Para Deborah, é urgente que esta luta se torne "uma prioridade absoluta".

Quase metade da população angolana sem acesso a água potável

No que diz respeito à qualidade dos alimentos, a Oxfam explica que 60% da dieta dos angolanos se baseiam em simples hidratos de carbono e quase metade da população não tem acesso a água potável para preparar os seus alimentos em segurança e com condições mínimas de higiene. Moçambique e a Guiné-Bissau também se encontram entre os últimos colocados da tabela (em 118.º e 88.º posição respetivamente) sobretudo devido à falta de diversidade nutricional e ao reduzido acesso a água potável.

"O sistema alimentar está corrompido"

Ouvir o áudio 03:55

Angola é o terceiro país com pior alimentação do mundo

A comida parece continuar a não chegar onde ela é mais necessária e Marita Hutjes, assessora política da Oxfam, pensa que isso acontece porque "a maneira como o sistema está estruturado não permite uma distribuição justa da comida". Contudo, a assessora sublinha que os problemas não ficam por aqui. "Por exemplo, é preciso tomar uma atitude perante as mudanças climáticas. Por agora há comida suficiente mas as mudanças de temperatura vão afetar a quantidade de produção alimentar. Outro problema é a especulação do preço da comida que pode ter um impacto enorme na capacidade de compra das pessoas ".

A organização garante que há produção de comida suficiente para alimentar a população mundial... então porquê continuam a registar-se índices severos de subnutrição em tantas regiões do mundo? Para Deborah Hardoon "essa é a pergunta que precisamos fazer a todos os Governos".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados