1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Alunos não vão à escola no norte de Moçambique enquanto RENAMO não governar

A denúncia é de uma organização do Niassa: encarregados de educação impedem alunos de frequentarem as aulas em alguns povoados, porque estão, alegadamente, à espera da governação do maior partido da oposição.

Ou a RENAMO começa a governar ou as crianças não vão às aulas. Pais e encarregados de educação não estão a dar muitas alternativas aos alunos do distrito de Majune, na província do Niassa.

A denúncia é feita por Laurentino Roupene, que trabalha numa organização que defende os direitos das crianças na província nortenha, a Associação Amigos Da Criança Boa Esperança (ACABE). "Naqueles povoados onde a RENAMO teve vantagem, os alunos não estudam", afirma. "Dizem 'estamos à espera do nosso presidente Afonso Dhlakama', de quando ele chegar ao poder - é nessa altura em que teremos aulas'. E, naqueles povoados, as salas estão às moscas".

Mosambik Schule in Majune (DW/M. David)

Alunas na sala de aulas de uma escola Majune

O distrito de Majune é tido como um bastião da RENAMO. O apoio ao maior partido da oposição em Moçambique é maior nas pequenas localidades e povoados dos postos administrativos.

Escolas da FRELIMO?

Elídio Lule Sacassa, residente na vila sede do distrito de Majune, diz, por exemplo, que muitos pais proíbem os filhos de frequentar o ensino porque são escolas da FRELIMO, o partido no poder.

"A situação das desistências no distrito de Majune é uma situação mais alarmante, muito mais no posto administrativo de Nairobi, na localidade de Nambilagem. Lá, a maioria dos residentes é da oposição", explica Elídio Sacassa.

Mosambik Schule in Majune (DW/M. David)

Escola em Majune

"Quando o conselho da escola passa nas casas para mobilizar as crianças, os pais proíbem. Alegam que a escola é da FRELIMO. Como são da RENAMO, não querem mobilizar os seus educandos para a escola."

A DW África contactou os serviços de Educação, Juventude e Tecnologia no distrito de Majune, que não se quiseram pronunciar sobre o assunto.

Sensibilizar as comunidades

Laurentino Roupene, da ACABE, promete intensificar as campanhas de sensibilização nas comunidades, "no próximo ano".

Ouvir o áudio 02:16

Pais impedem alunos de irem à escola no norte de Moçambique

Anteriormente, explica, a associação esteve "em algumas zonas onde se praticavam essas políticas, mas, com a ACABE, os alunos começaram a voltar às escolas". Segundo Roupene, é o caso das instituições de ensino em "Nairobi, Namilagem, Luambala e Chimpupu".

"O que nos resta agora é a partir de Insilo, Megualo e Matucuta, onde há esse fluxo de partidos políticos", conclui.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados