1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Alemanha está pronta para responder ao aumento da demanda por energia em África

Organizadores do 7º Fórum teuto-africano de Energia projetam crescimento de 500% na procura de energia em África nos próximos 25 anos e dizem que empresas alemãs podem competir por negócios de 80 mil milhões de euros.

Hidroelétrica de Cahora Bassa, em Moçambique

Hidroelétrica de Cahora Bassa, em Moçambique

Energias renováveis e energias convencionais –  é isso que o continente africano precisa. Foi essa a conclusão a que chegaram os participantes do 7º Fórum teuto-africano de Energia, uma megaconferência, organizada pela associação alemã dos empresários "Afrika-Verein" e patrocinada pelo governo alemão. O Fórum começou na cidade de Hamburgo e terminou esta quarta-feira (10.04), na feira industrial de Hannover.

Christoph Kannengießer, presidente da Afrika-Verein, a associação das empresas alemãs com negócios em África, diz que este sétimo fórum das energias seviu para lembrar que existe em África um mar de oportunidades à espera de serem aproveitadas:

Fórum teuto-africano de Energia reuniu 500 participantes em Hamburgo e Hannover: recorde

Fórum teuto-africano de Energia reuniu 500 participantes em Hamburgo e Hannover: recorde

"As potencialidades do continente africano são enormes: há muitos projetos à espera de serem executados e explorados nas próximas décadas", disse Kannengießer à DW África. O executivo destacou que "os observadores esperam um aumento da procura de energia na ordem dos 500% nos próximos 25 anos no continente africano. Essa procura enorme poderá gerar negócios no valor de, pelo menos, 80 mil milhões de euros e penso que as empresas alemãs estão preparadas para responder, e competir com outras empresas dos países emergentes, como a China, o Brasil ou a Turquia", afirmou Kannengießer.

Soluções energéticas para África

Os especialistas confirmam que mais 500 milhões de africanos ainda não têm acesso à corrente elétrica. E, sem energia elétrica, não há desenvolvimento, lembraram os organizadores do Fórum de Energia.

O ministro da Energia de Moçambique, Salvador Namburete, confirmou durante o evento em Hamburgo e Hannover, no norte da Alemanha, que o governo do país austral africano está empenhado em oferecer mais e melhor energia, sobretudo às populacões rurais. Para isso, Moçambique conta com a cooperação e a teconologia de empresas estrangeiras: "A procura de energia em Moçambique tem um padrão similar ao que observamos noutros países africanos", comparou Namburete.

"Há uma rápida aceleração da procura, a uma taxa em torno de 15% por ano, o que implica que precisamos, no mínimo, de acrescentar à nossa capacidade de geração [de energia] pelo menos mais cem megawatts por ano", contabilizou o ministro.

A barragem de Cahora Bassa, em Moçambique: países africanos precisam de investimento em energias convencionais e renováveis, conclui fórum na Alemanha

A barragem de Cahora Bassa, em Moçambique: países africanos precisam de investimento em energias convencionais e renováveis, conclui fórum na Alemanha

A Alemanha gosta de apresentar-se como país predestinado a oferecer solucões energéticas para países como Moçambique. O presidente da associação empresarial Afrika-Verein lembrou que a Alemanha – há pouco tempo e por decisão política – mudou todo o seu conceito energético. O país europeu apostou, passo a passo, nas energias renováveis, em detrimento das energias nuclear e convencionais.

"Energia não é só luz"

As soluções que a Alemanha encontrará poderiam ser exportadas para os países africanos, incluindo os lusófonos, salientou Christoph Kannengießer: "Os empresários alemães mostram cada vez mais interesse em investir em países como Angola ou Moçambique", afirmou.

Salvador Namburete, por seu lado, registou com agrado as palavras dos numerosos interlocutores alemães e africanos neste Fórum de Energia, patrocinado pelo governo alemão: "É importante que os países continuem a realizar campanhas de educação sobre a necessidade de haver energia para além da luz. A energia não deve ser só luz para combater a escuridão. Deve ser vista como matéria-prima para investir na produção de bens e serviços, que gerem rendimentos e empregos para que as pessoas possam pagar o preço real e justo pelo serviço que é prestado", disse.

Ouvir o áudio 03:42

Alemanha está pronta para responder ao aumento da demanda por energia em África

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados