1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Alemanha e Angola reforçam laços económicos

Setores da engenharia civil e infraestruturas, agricultura e energia foram destaque no início do V Fórum Económico Alemão-Angolano, esta terça-feira (04.03), em Luanda. Ministro da Economia angolano eleva expectativas.

Arranque do V Fórum Económico Alemão-Angolano

Arranque do V Fórum Económico Alemão-Angolano

No primeiro dos dois dias do Fórum, os participantes alemães e angolanos destacaram o estreitamento nas relações de negócios. Mais de 50 empresários alemães e mais uma centena de representantes de instituições e empresas angolanas discutem as condições gerais para futuros financiamentos e proteção de riscos de investimento em Angola.

O governo de Luanda faz-se representar pelo ministro da Saúde, José Van-Dúnem, o ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, da Indústria, Bernarda Gonçalves Martins, e ainda o ministro da Economia, Santos Gourgel, que concedeu uma entrevista à DW África.

O ministro da Economia angolano tem boas recordações da Alemanha. Mas Abrahão Pio dos Santos Gourgel concentra a sua atenção nos negócios entre os dois países, com forte potencial de crescimento.

DW África: À parte de relações profissionais, o ministro Santos Gourgel tem uma relação pessoal especial com a Alemanha?

Santos Gourgel, ministro da Economia de Angola no V Fórum Económico Alemão-Angolano

Santos Gourgel, ministro da Economia de Angola, no V Fórum Económico Alemão-Angolano

Abrahão Santos Gourgel (ASG): A minha relação pessoal explica-se porque eu estudei lá, primeiro na antiga RDA (República Democrática Alemã) e, mais tarde, fiz uma pós-graduação em Berlim Ocidental.

DW África: E tem boas recordações desses tempos?

ASG: Sim. O tempo em que estudámos é das épocas mais interessantes das nossas vidas. Depois vêm outras coisas, mas não há dúvidas de que aquela é sempre uma época interessante. De modo que, tenho algumas boas recordações desse período.

DW África: Pensa que a Alemanha e Angola são parceiros ideais para cooperarem? Em que áreas?

ASG: São parceiros, sobretudo porque são economias complementares, não são economias concorrentes.

Micahel Glos (esq.), ex-ministro da Economia e Tecnologia alemão participa no encontro, em Luanda

Micahel Glos (esq.), ex-ministro da Economia e Tecnologia alemão, participa no encontro, em Luanda

Produzem diferentes tipos de produtos, têm valências em diferentes áreas da atividade económica e do saber. De modo que, há muitas oportunidades e há uma grande expectativa, quer da parte dos empresários angolanos quer da parte dos empresários alemães e, igualmente, das autoridades dos dois governos.

DW África: No entanto, é pouco significativo o volume de negócios de Angola com a Alemanha, em comparação com outros países como Portugal, China, Estados Unidos, Fraça ou Grã-Bretanha?

AGS: Exatamente. E isso aumenta o volume de oportunidades de crescimento das relações comerciais e da cooperação industrial. O crescimento do volume de negócios entre Angola e a Alemanha tem muito que ver também com a atitude cultural do empreendedor alemão. O empreendedor alemão é muito distinto do empreendedor português ou lusófono ou mesmo latino, porque tem uma atitude cultural diferente perante os negócios.

As economias de Angola e da Alemanha complementam-se, têm diferentes valências, diz o ministro da Economia angolano

As economias de Angola e da Alemanha complementam-se, têm diferentes valências, diz o ministro da Economia angolano

Geralmente, o empreendedor alemão precisa de mais tempo de preparação e, talvez por isso mesmo, também tem negócios muito mais sólidos e de mais longo prazo.
Nós estamos interessados em que essa pequena limitação seja ultrapassada e pensamos que a qualidade das nossas relações tem condições para que isso aconteça.

DW África: Desde a visita a Angola da chanceler alemã Angela Merkel, o que é que mudou nas relações bilaterais?

AGS: Os negócios aumentaram. Os contactos diretos tanto entre empresas alemãs e o nosso país como entre empresários angolanos e a Alemanha também aumentaram. Além disso, foi criado um fórum em que é possível abordar os aspectos mais estruturantes da cooperação entre os dois países. Portanto, estamos melhor depois da visita da chanceler alemã do que antes da sua visita.

Ouvir o áudio 03:40

Alemanha e Angola reforçam laços económicos

É um processo de aproximação e de aperfeiçoamento das nossas relações que tem melhorado já desde a visita do senhor Presidente angolano José Eduardo dos Santos à Alemanha (em fevereiro de 2009). E um outro ponto alto foi, sem dúvida, a visita da chanceler Angela Merkel a Angola (em 2011).

DW África: Na altura, em 2011, não se falou praticamente de outro assunto senão do negócio das fragatas que a Alemanha quer vender a Angola. Como vê essa questão?

AGS: Sobre esse negócio sei muito pouco, para ser sincero. Portanto, contrariamente ao que referiu, eu penso que as grandes atenções dos negócios foram mais no sector da energia e não tanto nas fragatas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados