Alberto Nambeia é reeleito presidente do PRS | Guiné-Bissau | DW | 30.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Alberto Nambeia é reeleito presidente do PRS

Presidente do Partido da Renovação Social da Guiné-Bissau é reconduzido ao cargo durante quinto congresso ordinário do partido. Florentino Mendes Pereira mantém-se como secretário-geral do PRS.

default

Quinto congresso do PRS decorreu na localidade de Gardete, nos arredores de Bissau

O presidente do Partido de Renovação Social (PRS), Alberto Nambeia, foi reeleito para o cargo durante o quinto congresso ordinário da segunda maior legenda da Guiné-Bissau. 

Alberto Nambeia recebeu 808 dos votos dos 1001 delegados que participam do evento, depois de seis dos nos nove candidatos à liderança do partido terem abandonado a corrida. A informação foi adiantada por Carlitos Barai, presidente da Comissão Eleitoral do congresso. 

Artur Sanhá ficou em segundo lugar com 71 votos e Sola Nquilin, atual ministro da Administração Territorial, em terceiro, com 25 votos. Florentino Mendes Pereira também foi reeleito para secretário-geral do partido, com 868 votos. 

O quinto congresso do PRS, dedicado ao tema "Consolidação do Estado de Direito Democrático para melhor servir a Guiné-Bissau", teve início na terça-feira e terminou este sábado na localidade de Gardete, nos arredores de Bissau. Este foi o primeiro congresso a ser realizado sem a presença de Kumba Ialá, que fundou o partido ao lado de outros militantes em 1992 e morreu em abril de 2014. 

Este sábado (30.09), a força de interposição militar da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) na Guiné-Bissau (Ecomib) terminou seu mandato a 30 de setembro, mas a ONU e a União Africana defendem a sua continuidade. Nem a CEDEAO, nem as autoridades guineenses indicaram ainda se aquela força vai continuar ou não no país. 

As discussões sobre o Acordo de Conacri, que prevê a formação de um Governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado, estão em aberto. 

Leia mais