1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

AI pede investigação internacional aos ataques do Boko Haram

Amnistia International informa que durante os três primeiros meses de 2014 cerca de 1.500 pessoas foram mortas na Nigéria. A maior parte das vítimas são civis do norte do país, diz um relatório da ONG.

default

Líder do Boko Haram na Nigéria, Abubakar Shekau

O número de vítimas dos atentados do Boko Haram superam substancialmente os casos dos meses anteriores. A maior parte das vítimas são habitantes civis do norte da Nigéria, mas os extremistas islâmicos atacam também militares.

No relatório, a Amnistia Internacional categoriza estes crimes como crimes de guerra e contra a humanidade e pede à comunidade internacional para que faça investigações independentes na Nigéria.

Makmid Kamara, investigador nigeriano da Aministia Internacional, nomeia alguns dos tipos de ataques: “Execuções sumárias, mortes sob custódia, ataques indiscriminados, mortes de civis, destruição de propriedades civis, assim como alegados casos de tortura e tratamento cruel de pessoas do Governo que estão reféns de membros do Boko Haram…"

Estes são exemplos de casos que têm acontecido numa grande e perturbadora escala no nordeste da Nigéria.

Nigeria Kano Bombenanschlag

A cidade de Kano, no norte, tem sido alvo constante dos ataque do Boko Haram

A culpa das Forças de Segurança

O investigador explica que a organização se baseia em critérios do Tribunal Penal Internacional para concluir que se tratam de crimes contra a humanidade. "Os critérios que utilizámos são os dos estatutos do Tribunal Penal Internacional e nós achamos que estes crimes têm sido cometidos quer por membros de segurança do Governo, quer por membros do Boko Haram.”

A Amnistia International ressalta assim que os crimes contra a humanidade são cometidos reiteradamente por ambas as partes, implicadas no conflito, mas salienta que a envergadura das atrocidades praticadas pelos militantes do Boko Haram é impactante.

A organização relata um caso em que cerca de 600 pessoas foram mortas: no dia 14 de março, homens armados do Boko Haram atacaram a base militar de Maiduguri, libertando centenas de detidos pertencentes ao grupo. Quando recapturados, foram executados. A Human Rights Watch, outra ONG de defesa dos direitos humanos, confirma os números.

As informações da Aministia Internacional são baseadas em vídeos, imagens e testemunhos de familiares e sobreviventes dos ataques simultâneos de ambas as partes do conflito.

General Ibrahim Attahiru

General Ibrahim Attahiru, porta-voz do exército nigeriano

O silêncio das autoridades

Makmid Kamara relata que a Amnistia enviou uma carta ao Governo a pedir explicações sobre estes números, mas que até agora ainda não obtiveram qualquer resposta.

Por outro lado, este colaborador da Amnistia Internacional justifica porque razão pedem à comunidade internacional para investigar o assunto: “É uma longa história de casos em que as autoridades nigerianas não conseguem desencadear investigações imparciais no que toca a violações dos Direitos Humanos, nas quais ninguém chega a ver nenhum relatório."

Segundo Kamara "as comissões de investigações não chegam a ser criadas. Então achamos que é tempo das autoridades nigerianas se juntarem às autoridades internacionais para ter a certeza de que as alegadas violações severas dos direitos humanos são investigadas independente e imparcialmente."

O colaborador da organização de defesa dos direitos humanos, entretanto, duvida que haja um resultado: " E nós defendementos que estes crimes foram cometidos mesmo pelas forças de segurança e nos não acreditamos que eles se investiguem a eles próprios.”

Ouvir o áudio 03:32

AI pede investigação internacional aos ataques do Boko Haram

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados