1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Afonso Dhlakama quer ser Presidente do centro e norte de Moçambique

Segundo notícias da agência Lusa, o líder da RENAMO anunciou a criação de uma república do centro e norte de Moçambique. Apesar da nova república, a RENAMO diz que quer apenas autonomia e não uma divisão do país.

default

Afonso Dhlakama (foto de aquivo de outubro de 2014, durante a campanha em Maputo)

"A RENAMO vai formar os governos provinciais nas seis províncias e eu, Afonso Dhlakama, passarei a ser presidente da república do centro e norte de Moçambique", declarou Afonso Dhlakama, o líder da RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana), o maior partido de oposição, num comício perante milhares de pessoas no sábado (10.01) na Beira, província de Sofala. Dhlakama foi largamente aplaudido e disse que considera esta medida como "pacífica e suave" para a atual tensão política do país.

Save-Fluss

O Rio Save visto da Estrada Nacional 1: segundo a proposta de Dhlakama, as províncias a sul do Save seriam governadas pela FRELIMO (o sul fica à esquerda da imagem), e quase todas as províncias a norte do Save pela RENAMO

Apesar de nova república no centro e norte, RENAMO diz não querer dividir o país

Dhalakama garantiu contudo que, com a formação da república do centro e norte, não quer dividir o país nem dar independência a esta região, mas "autonomia política e económica" das províncias, indicando que não serão necessários passaportes para circular entre a zona sul e o centro e norte de Moçambique.

"Não me venha a FRELIMO dizer que é inconstitucional, porque em nenhuma parte do mundo a Constituição não é emendável. Há democracias no mundo com províncias autónomas", referiu Afonso Dhlakama, exemplificando com a Madeira e os Açores, em Portugal.

Sem adiantar datas, Afonso Dhlakama disse que vai nomear governadores e administradores nas províncias de Sofala, Tete, Zambézia e Manica (centro) e Niassa e Nampula (norte), cedendo a província nortenha de Cabo Delgado, de onde provém o Presidente da República eleito, Filipe Nyusi e as quatro províncias do sul (Inhambane, Gaza, Maputo Província e Maputo Cidade). Nestas cinco províncias, a FRELIMO ganhou as eleições gerais. Portanto, a linha divisória entre o sul governado pela FRELIMO e o centro-norte do país governado pela RENAMO passaria a ser o Rio Save - com a exceção de Cabo Delgado, que fica no extremo norte.

Bildergalerie Wahlkampf 2014 Mosambik

Nas cidades do centro e norte, a RENAMO consegue mobilizar mais eleitores do que no sul do país (foto de Nampula)

Falhou a proposta do governo de gestão

O líder da RENAMO salientou que a "única política judicialmente funcional" encontrada pelo partido foi a criação da república. Antes da validação dos resultados eleitorais, pelo Conselho Constitucional, a 30 de dezembro, a RENAMO propôs um governo de gestão com a FRELIMO, em resposta a uma alegada fraude eleitoral, e ameaçou criar um executivo próprio caso o partido no poder insistisse na rejeição da ideia.

A FRELIMO rejeitou a proposta de um governo de gestão. Para o Presidente da República cessante e da FRELIMO, Armando Guebuza, aceitar esta exigência seria um desrespeito pelos eleitores e um caminho para a "anarquia".

Moçambique realizou eleições gerais (assembleias provinciais, legislativas e presidenciais) a 15 de outubro, cujos resultados proclamados, e rejeitados pela oposição, dão vitória à FRELIMO e ao seu candidato presidencial Filipe Nyusi, colocando a RENAMO e o seu líder, Afonso Dhlakama em segundo lugar e o MDM (Movimento Democrático de Moçambique) e o seu presidente, Daviz Simango em terceiro.

Ouvir o áudio 02:44

Ouça a reportagem de Arcénio Sebastião, a partir da Beira

Dhlakama diz que continua disponível para negociar

Dhlakama manifestou-se mais uma vez disponível para negociar com o Governo, mas também se classificou como "superior política e militarmente", garantindo que não se irá "ajoelhar perante a FRELIMO" nem recuar e, se for necessário, "governar à força" na república anunciada no sábado.

O líder da RENAMO, que chegou ao comício escoltado por viaturas protocolares da Polícia moçambicana, entre a sua guarda armada, ao largo junto do edifício dos Caminhos de Ferro de Moçambique, avançou que voltará a percorrer as províncias do centro e norte, devendo terminar os encontros com os seus partidários na região sul do país. "O sul não tem culpa, mas é o regime da FRELIMO que tenta fazer da região o seu bastião contra a vontade do povo", sublinhou Afonso Dhlakama.

Wahlkampf 2014 Mosambik Renamo Afonso Dlhakama

Início da campanha da RENAMO para as eleições gerais de 2014 na Gorongosa, Sofala (foto de setembro)

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados