1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Advogados de Kalupeteka vão ao Sumi para reconstituição dos factos

Os advogados de defesa de José Julino Kalupeteka e outros fiéis da seita a Luz do Mundo acusados de homicídio qualificado consumado no Monte Sumi, deslocaram-se ao local esta sexta-feira (23.10).

A deslocação ao local visa a recolha de provas para a reconstituição dos factos segundo um dos advogados de defesa da Associação Cívica Mãos Livres, Zola Bambi.

A permissão foi dada pelo juíz da causa do caso Kalupeteka que surpreendeu Angola a 16 de junho deste ano quando fiéis da seita a Luz do Mundo e a polícia se envolveram em confrontos tendo provocado, oficialmente, a morte de nove agentes e treze civis.

“O Tribunal aceitou e uma equipa constituída pelo Dr. David Mendes e outros colegas estará presente para que se faça a reconstituição dos factos e nós, como defesa, fiscalizarmos e darmos o nosso parecer. Nessa reconstituição todos estarão para dar um subsídio favorável para que o trabalho seja feito de forma mais fidedigna possível e para que todos tenham uma apreciação que sirva para uma melhor discussão durante a fase de julgamento”, disse Zola Bambi.

Sektenführer Jose

José Julino Kalupeteka

Esta fase que antecede o julgamento, de acordo com o advogado, está prevista na legislação penal angolana e diz que não entende porque o Tribunal e o Ministério Público tentaram inviabilizar a reconstituição dos factos.

“É um procedimento que está na nossa Lei e que estava a ser limitado e não sabemos as razões. A reconstituição dos factos é um passo imprescindível para melhor conhecimento do sucedido para uma melhor discussão entre a defesa e o Tribunal”.

Julgamento sem data marcada

No monte Sumi onde a seita realizava os seus cultos estarão todos os implicados no processo, incluído José Julino Kalupeteka.

“Estarão presentes o Kalupeteca e algumas pessoas que estão implicadas no caso: os que atuaram do lado da polícia, o Ministério Público e o Juíz da causa”.

O julgamento do “caso Kalupeteka” ainda não tem data prevista.

Ouvir o áudio 02:52

Advogados de Kalupeteka vão ao Sumi para reconstituição dos factos

De acordo com Zola, este é um dos pressupostos que tinham de ser observados. “Ainda não há uma data marcada porque este é um pressuposto instrumental que faltava e sem esta reconstituição estaríamos numa situação de desigualdade”.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados