1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Acusados de atentado contra Presidente angolano sem medicamentos na cadeia, diz advogado

Ex-militares acusados de tentativa de atentado contra o Presidente de angolano José Eduardo dos Santos continuam sem acesso a medicamentos na cadeia, informa defesa dos réus.

Gefängnis Luanda Angola (António Cascais)

Prisão em Angola. Foto ilustrativa.

O advogado Sebastião Assurreira acusa os serviços penitenciários de estarem a impedir o fornecimento dos fármacos e diz que os reclusos continuam na cadeia à espera de medicamentos, conforme informou à DW África nesta terça-feira (10.01). Na semana passada, os Serviços Prisionais angolanos disseram que a situação já estava resolvida.

Os reclusos fazem parte do grupo de 37 homens acusados de tentativa de atentado contra o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos. São, na sua maioria, ex-militares do braço armado do maior partido da oposição, a UNITA, durante a guerra civil neste país, conforme relata o advogado de defesa do grupo:

"David Esanjo está com inchaço no abdómen, porque foram pontapeados; Paulo Camabala sente dores na coluna; Mário Pinto está a sentir dores no peito e até ao momento está na enfermaria. No geral, os réus estão doentes", relatou Assurreira.

Julgamento

O julgamento do caso continua na 14ª Secção dos Crimes Comuns do Tribunal de Luanda. Falta apenas interrogar três dos acusados. Os ex-militares já ouvidos negam as acusações.

A defesa diz que a única mobilização que os acusados fizeram foi para uma manifestação pacífica para reclamar a não-inserção na Caixa Social das Forças Armadas Angolanas (FAA).

 A imprensa também está proibida de acompanhar o caso no tribunal.

Na semana passada, o advogado de defesa Sebastião Assurreira voltou a acusar os serviços prisionais angolanos de violar os "direitos fundamentais dos reclusos". 

"A direção da penitenciária da Comarca de Viana passa a receita, mas a direção proíbe a entrada de medicamentos. Eles não têm medicamentos e não aceitam que os familiares levem medicamentos para eles", relatou Assureira.

Serviço Penitenciário

Ouvir o áudio 02:42

Acusados de atentado contra Presidente angolano sem medicamentos na cadeia, diz advogado

Por sua vez, o porta-voz do Serviço Penitenciário angolano, Menezes Cassoma, avançou depois que os parentes dos reclusos já estavam a entregar os medicamentos. 

"O impedimento colocava-se simplesmente ao procedimento de uma formalidade porque as normas do Serviço Penitenciário prevê nos termos do artigo 121, que sempre que o Serviço Penitenciário estiver incapacitado de fazer algum exame, pode contar com o contributo dos parentes dos reclusos, mas estes que procedam a observância de alguns requisitos. Os familiares que estão observar estes requisitos já estão a fazer entrega dos medicamentos", disse Cassoma à DW África. 

A defesa, no entanto, contraria os serviços prisionais e diz que os réus ainda estão à espera de medicamentos. 

O julgamento dos 37 angolanos começou há um mês no tribunal de Luanda. A acusação do Ministério Público de Angola sustenta que os acusados pretendiam tomar o poder a partir do uso da força.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados