Acusados de atentado contra Presidente angolano sem medicamentos na cadeia, diz advogado | Angola | DW | 11.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Acusados de atentado contra Presidente angolano sem medicamentos na cadeia, diz advogado

Ex-militares acusados de tentativa de atentado contra o Presidente de angolano José Eduardo dos Santos continuam sem acesso a medicamentos na cadeia, informa defesa dos réus.

Gefängnis Luanda Angola (António Cascais)

Prisão em Angola. Foto ilustrativa.

O advogado Sebastião Assurreira acusa os serviços penitenciários de estarem a impedir o fornecimento dos fármacos e diz que os reclusos continuam na cadeia à espera de medicamentos, conforme informou à DW África nesta terça-feira (10.01). Na semana passada, os Serviços Prisionais angolanos disseram que a situação já estava resolvida.

Os reclusos fazem parte do grupo de 37 homens acusados de tentativa de atentado contra o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos. São, na sua maioria, ex-militares do braço armado do maior partido da oposição, a UNITA, durante a guerra civil neste país, conforme relata o advogado de defesa do grupo:

"David Esanjo está com inchaço no abdómen, porque foram pontapeados; Paulo Camabala sente dores na coluna; Mário Pinto está a sentir dores no peito e até ao momento está na enfermaria. No geral, os réus estão doentes", relatou Assurreira.

Julgamento

O julgamento do caso continua na 14ª Secção dos Crimes Comuns do Tribunal de Luanda. Falta apenas interrogar três dos acusados. Os ex-militares já ouvidos negam as acusações.

A defesa diz que a única mobilização que os acusados fizeram foi para uma manifestação pacífica para reclamar a não-inserção na Caixa Social das Forças Armadas Angolanas (FAA).

 A imprensa também está proibida de acompanhar o caso no tribunal.

Na semana passada, o advogado de defesa Sebastião Assurreira voltou a acusar os serviços prisionais angolanos de violar os "direitos fundamentais dos reclusos". 

"A direção da penitenciária da Comarca de Viana passa a receita, mas a direção proíbe a entrada de medicamentos. Eles não têm medicamentos e não aceitam que os familiares levem medicamentos para eles", relatou Assureira.

Serviço Penitenciário

Ouvir o áudio 02:42
Ao vivo agora
02:42 mins.

Acusados de atentado contra Presidente angolano sem medicamentos na cadeia, diz advogado

Por sua vez, o porta-voz do Serviço Penitenciário angolano, Menezes Cassoma, avançou depois que os parentes dos reclusos já estavam a entregar os medicamentos. 

"O impedimento colocava-se simplesmente ao procedimento de uma formalidade porque as normas do Serviço Penitenciário prevê nos termos do artigo 121, que sempre que o Serviço Penitenciário estiver incapacitado de fazer algum exame, pode contar com o contributo dos parentes dos reclusos, mas estes que procedam a observância de alguns requisitos. Os familiares que estão observar estes requisitos já estão a fazer entrega dos medicamentos", disse Cassoma à DW África. 

A defesa, no entanto, contraria os serviços prisionais e diz que os réus ainda estão à espera de medicamentos. 

O julgamento dos 37 angolanos começou há um mês no tribunal de Luanda. A acusação do Ministério Público de Angola sustenta que os acusados pretendiam tomar o poder a partir do uso da força.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados