Acordo de Conacri simboliza ″impasse político″ na Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 14.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Acordo de Conacri simboliza "impasse político" na Guiné-Bissau

A crise política na Guiné-Bissau não tem fim à vista, apesar da assinatura do Acordo de Conacri há mais de um ano. Enquanto líderes debatem soluções, analista Carlos Lopes recomenda aposta nas novas eleições.

default

Académico guineense Carlos Lopes

Para esta quinta e sexta-feira (14 e 15 de dezembro) estão marcados protestos em Bissau. Os partidos da oposição deverão voltar a sair à rua para exigir a demissão do Governo guineense e o cumprimento do Acordo de Conacri.

Além disso, os principais líderes políticos guineenses reúnem-se nos próximos dias na Nigéria para discutir a crise política na Guiné-Bissau. A reunião foi convocada pelos Presidentes do Togo e da Guiné-Conacri, Faure Gnassingbé e Alpha Condé respetivamente, antecedendo a conferência de chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, a ter lugar na capital nigeriana, Abuja.

Guinea-Bissau Umaro Sissoco und José Mário Vaz

Primeiro-ministro guineense, Umaro Sissoco (esq.), e Presidente José Mário Vaz

Nas vésperas do encontro, o académico Carlos Lopes considera que a prioridade deve ser a organização das próximas eleições, para que sejam íntegras.

Em entrevista exclusiva à DW, em Lisboa, o economista guineense comenta que "neste momento, o Acordo de Conacri é uma espécie de simbolismo do impasse político na Guiné-Bissau".

Sem apontar nomes, Lopes afirma que o problema está nos atores políticos.

"Precisamos de dar muito mais espaço à juventude. Acho que os jovens têm uma visão diferente das coisas", afirma o investigador na Universidade de Oxford. Sendo assim, pede mais humildade à classe política, que tem de ser "capaz" de reconhecer que o desenvolvimento é a prioridade.

"Se não fizermos o esforço coletivo para o desenvolvimento, vamos falhar uma viragem importante numa altura em que o mundo não está à nossa espera. A velocidade das transformações acelera e, portanto, países como a Guiné-Bissau já estão a reboque e acabam por ficar completamente esquecidos, porque já há um cansaço das crises guineenses", diz Carlos Lopes.

Foco nos protagonistas

O também sociólogo critica o excesso de personalização do debate político na Guiné-Bissau, o que põe em causa o interesse nacional.

"Esse excesso de personalização tem a ver com uma coisa muito clara - a falta de solidez das instituições", sublinha. "Quando as instituições não são sólidas, fala-se mais dos protagonistas. Mas quando as instituições têm, de facto, um protagonismo e uma força maior, o papel das personalidades deixa de ser tão polarizante."

Ouvir o áudio 02:40

Acordo de Conacri "simboliza impasse político"

O académico, também ligado à Universidade do Cabo, na África do Sul, não quer entrar em polémicas, apontando o dedo seja a quem for. Realça apenas que "o sistema político - ou o processo democrático guineense - é muito deficitário, com contornos medíocres", precisamente porque as instituições não são muito sólidas.

"Não é por acaso, por exemplo, que cada pessoa tem uma visão diferente da Constituição", refere Carlos Lopes.

O ex-secretário-executivo da Comissão Económica das Nações Unidas para África afirma, por último, que é importante o apoio da comunidade internacional para o fim das crises políticas, mas considera antes fundamental a mudança de mentalidade dos dirigentes guineenses.

"O debate está à volta disso: vamos ou não ter eleições íntegras?", questiona. Carlos Lopes exorta os guineenses a terem esperança no seu futuro.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados