A vida de volta ao Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique | Moçambique | DW | 23.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Meio Ambiente

A vida de volta ao Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique

Greg Carr é um filantropo que coloca a mão na massa. Ele assumiu um parque cuja vida selvagem havia sido dizimada e o fez brilhar de novo. Em entrevista exclusiva à DW, Carr explica porque esse trabalho vale a pena.

Eco Africa (Gorongosa National Park)

Greg Carr, o filantropo que dedica sua vida ao Parque Nacional de Gorongosa

O Parque Nacional da Gorongoza tem uma história trágica. Durante a guerra civil que assolou o  país, o parque foi dizimado e, em 1983, completamente abandonado. Ao fim da guerra, mais de 90% da vida selvagem do parque tinha sido perdida. 

Greg Carr é um filantropo norte-americano que começou a trabalhar na recuperação da Gorongosa em 2004. Desde então, ele vem intensificando seus esforços, investindo milhões, e agora co-administrando o Parque junto com o Governo de Moçambique. Esse trabalho também ajuda a cuidar do bem-estar de 175 mil pessoas que vivem em torno da reserva natural.

Hoje, Gorongosa é mais uma vez um dos maiores ecossistemas do país e foi ampliado para abarcar mais 4 mil quilómetros quadrados.

DW África: Por que decidiu revitalizar o Parque Nacional da Gorongosa em particular?

Greg Carr: Fui convidado pelo presidente Joaquim Chissano e pelo seu Governo. O Presidente Chissano teve a iniciativa de mudar a estrutura dos parques nacionais, que ficava sob a responsabilidade única de entidades de conservação, para a administração de empresas que podem amparar a população local. Ele desenvolveu essa ideia com Nelson Mandela (antigo Presidente da África do Sul) em 1992, ano da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento - ou o Rio 92. À época, eu era um ativista de direitos humanos e Chissano sentiu que essa era a abordagem ideal para trazer aos seus parques; e assim deixar o legado colonial para trás.

DW África: Moçambique tem uma história difícil e triste. Ao fim de quase 500 anos de domínio português, o país afundou numa guerra civil que durou 16 anos e custou a vida de muitos de moçambicanos e grande parte de sua vida selvagem. Somente depois de um acordo de paz, assinado em 1992, é que a reconstrução pôde ter início. Quão importante foi a estabilização política para a renovação da Gorongosa?

GC: O Parque da Gorongosa é amado por todos os moçambicanos. Trata-se de um símbolo nacional que está acima de qualquer política. O Parque une o país. Cerca de metade dos nossos empregados pertence a um partido político e a outra metade ao partido da oposição. Todos têm um bom relacionamento. Ainda assim, é claro que precisamos de estabilidade política. Os turistas querem visitar um país seguro e confiável.

DW África: Quão importante é o fato de que essa estabilidade venha de um Governo eleito democraticamente?

GC: Os recentes Presidentes eleitos de Moçambique deixaram o poder quando seus Governos terminaram. Isso é de extrema importância.

Assistir ao vídeo 04:33
Ao vivo agora
04:33 min

Repovoar parques de vida selvagem em Moçambique

DW África: O artigo 90 da Constituição moçambicana enuncia o "direito a um meio ambiente equilibrado”.

1 - Todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente equilibrado e têm o dever de defendê-lo. 

2 - O Estado e as autoridades locais, com a colaboração de associações de proteção ambiental, devem adotar políticas para proteger o meio ambiente e promover o uso racional de todos os recursos naturais. É importante sistematizar essas coisas na Constituição de um país? O que isso significa para o seu projeto?

GC: Moçambique tem uma variedade de leis  apropriadas e também de políticas que nos dão suporte. Existe a "Lei da Terra”, que ajuda famílias pobres a tomar posse de suas terras. Existe a "Lei da Família”, que apoia mulheres e crianças. Isso é importante para nós, pois acabamos dedicando mais nosso tempo e dinheiro em projetos de desenvolvimento humano fora do parque do que em programas de desenvolvimento para o parque. É lei em Moçambique que as meninas tenham de frequentar a escola. E nós ajudamos o país a implementar essa lei.

DW África: Quais são os maiores desafios para o meio ambiente em Moçambique e, em particular, para Gorongosa?

GC: Estamos trabalhando com os Governos da Noruega e da América do Norte para implementar o "Climate Smart Agriculture" (em tradução livre: Clima inteligente para agricultura), ao redor do parque. Isso vai aumentar o rendimento dos agricultores, assim como também proteger o solo e as florestas, que mantêm o ciclo hidrológico funcionando.

Eco Africa (Gorongosa National Park)

Greg Car com os funcionários do Parque da Gorongosa em Moçambique

DW África: Alguns anos atrás, foram importados animais para o parque a fim de repovoar a vida selvagem da Gorongosa. Mas, no início deste ano, o parque foi o único a enviar javalis, pivas e antílopes para o Parque Nacional de Zinave e à Reserva Especial de Maputo, num esforço de rejuvenescimento. O seu trabalho é a prova viva de que projetos voltados para o meio ambiente podem funcionar – mas que eles também custam caro. O valor de 20 milhões de dólares é divulgado frequentemente – quanto investiu no Parque até agora? Lugares tão grandes como esse podem um dia ser lucrativos?

GC: Parques nacionais podem solucionar muitas das suas necessidades financeiras com o turismo. No entanto, não acredito ser necessário que os parques cubram 100% de seus orçamentos com o lucro que obtêm. Não há problema se parques são subsidiados por governos e filantropos. Precisamos pensar em parques como "bens públicos”, que oferecem benefícios para toda a sociedade. Assim sendo, é inteligente que possamos apoiá-los com fundos externos. Pensar neles como um museu, como uma universidade ou como uma instituição cultural. Nós sabemos porque as sociedades completam parte do orçamento dessas entidades.  

DW África: O seu projeto é um bom exemplo para outros parques e para outros países africanos?

GC: Sim. Muitos outros parques nacionais estão a estudar o nosso modelo e a implantar partes dele. Estamos trabalhando em parceria com a União Internacional para a Conservação da Natureza com o objetivo de criar um fórum  para compartilhar essas ideias.

DW África: O que o Parque Gorongosa significa para a economia de Moçambique?

GC: Agora que a paz duradoura está no horizonte, Gorongosa pode significar o motor da economia para o centro do país. Não apenas através do turismo, mas também com nossos projetos agrícolas. Nossa biodiversidade atrai cientistas do exterior para o país, os quais não somente treinam jovens cientistas moçambicanos, mas também concedem subvenções financeiras.

DW África: Com o seu trabalho, o que melhorou na vida das pessoas que vivem num raio de 10 quilómetros ao redor da zona neutra do parque?

GC: Nós consideramos o Parque da Gorongosa como  uma espécie de "motor para o desenvolvimento humano”.  Ajudamos 4 mil famílias de agricultores na zona neutra com insumos e treinamento. Oferecemos assistência médica a mais de 100 mil pessoas. Atuamos num programa de educação para meninas pós-escolar, para que elas continuem na escola (idade entre 10 e 16 anos) e longe do casamento e da gravidez infantis. Damos suporte a elas para que cheguem ao liceu. Também as ajudamos a melhorar seus conhecimentos de leitura e escrita, ensinamos a ter cuidados básicos com a saúde e noções de direitos humanos. E trazemo-las ao parque, para excursões divertidas.

DW África: Em 10 anos, o seu contrato para administrar o Parque acaba. E depois?

GC: Na verdade, o Conselho de Ministros moçambicanos votou no ano passado (2016) para estender o meu contrato para mais 25 anos, a começar de agora.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados