1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

A timidez da oposição do Burkina Faso

Há muito que os partidos da oposição pediam o afastamento do Presidente do Burkina Faso. Mas agora parecem distanciar-se da revolta popular que levou à renúncia imediata de Blaise Compaoré.

"Foi tudo um mal-entendido", explica Saran Sérémé à DW África. No domingo (02.11), os manifestantes burkinabes proclamaram a chefe do Partido para o Desenvolvimento e Mudança (PDC) como a nova Presidente do Burkina Faso, na televisão estatal.

Sérémé seria assim a primeira figura política – e a única mulher entre os líderes da oposição – a reivindicar a Presidência depois da saída de Compaoré. Mas Saran Sérémé afirma agora que foi levada para a sede da emissora contra a sua vontade e que não tencionava que a proclamassem como Presidente.

Burkina Faso Oppositionspolitikerin Saran Sereme

Opositora burkinabe Saran Sérémé

Os partidos da oposição pediam há muito tempo o afastamento do Presidente Blaise Compaoré, que esteve 27 anos no poder. Mas, na semana passada, quando o chefe de Estado burkinabe foi finalmente deposto, depois de protestos, por vezes, violentos, não foram os partidos da oposição que coordenaram os acontecimentos, mas sim os manifestantes nas ruas. Foram eles que incentivaram os políticos a fazer algo.

Oposição apanhada de surpresa

O também opositor Adama Kanazoé, presidente da Aliança da Juventude pela Defesa da Independência da República, garante que o principal pedido da oposição era apenas que Compaoré não se recandidatasse no próximo ano – a oposição não reivindicava a sua renúncia imediata.

"Isso não foi planeado. Surpreendeu toda a gente", admite Kanazoé. "Agora temos, primeiro, de refletir".

O consenso entre a oposição é que todas as forças políticas e os militares devem, em conjunto, encontrar um candidato para o período de transição. Nenhum dos líderes da oposição se quer tornar chefe de Estado de transição, porque isso poderia excluí-los mais tarde da corrida presidencial, refere Elke Erlecke, diretora do Programa para a África Ocidental da Fundação alemã Konrad-Adenauer.

Ouvir o áudio 02:40

A timidez da oposição do Burkina Faso

Erlecke não ficou admirada com o facto da oposição fragmentada do Burkina Faso estar relutante em avançar com propostas concretas para o futuro do país. A maioria dos partidos não tem um programa que possa usar na campanha eleitoral. "As suas políticas são de âmbito mais geral e abordam valores como a democracia, paz e harmonia", diz.

Muitos dos partidos do Burkina Faso giram em torno dos seus líderes e são vistos como uma plataforma para chegar ao poder. Há líderes da oposição, como Saran Sérémé, que já foram membros do Congresso para a Democracia e Progresso (CDP), o partido do Presidente deposto. Há poucas diferenças ideológicas entre os partidos do Burkina Faso.

Mas Erlecke diz que essas diferenças deverão voltar a aparecer dentro em breve. A analista acredita que o impulso para a mudança virá da sociedade civil. Exemplo disso é o movimento "Le Balai Citoyen" ("Cidadão-vassoura"), que esteve na linha da frente dos protestos recentes. O movimento é liderado por dois jovens músicos, cujo objetivo é restabelecer as "regras democráticas" no Burkina Faso. "Quem quiser liderar o país terá de sentar à mesa e conversar com estes ativistas e as suas organizações", afirma Elke Erlecke.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados