1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

50 anos para Taylor e terror em Nairobi nas páginas dos jornais alemães

Esta semana, o ataque da milícia somali Al-Shabaab, ao centro comercial, em Nairóbi, no Quênia, e o julgamento de Charles Taylor, ex-ditador da Libéria, em Haia, na Holanda, foram os destaques da mídia alemã.

default

Os destaques africanos da imprensa alemã da semana (22.09 a 27.09)

Nos últimos dias, os jornais alemães voltaram suas atenções ao Tribunal Especial para a Serra Leoa (TSSL), na cidade de Leidschendam, perto de Haia, na Holanda. Lá, o ex-Presidente da Libéria, Charles Taylor, foi condenado a 50 anos de prisão. Taylor foi considerado culpado por crimes contra a humanidade cometidos durante a guerra civil da Serra Leoa, entre 1991 e 2002.

Em seu título, “Permanecem 50 anos”, o jornal Die Tageszeitung enfatizou a confirmação da sentença do julgamento em primeira instância, ocorrido em 2012.

Já a reportagem do Süddeutsche Zeitung explica que Taylor teria apoiado rebeldes do país vizinho com armas e tropas em troca de diamantes e enfatiza que o conflito tornou-se uma ameaça à segurança na África Ocidental.

Com, o título “Dimantes de Sangue: 50 anos de prisão para Taylor”, também o Berliner Zeitung pautou o julgamento do ex-Presidente da Libéria, destacando se tratar da condenação em última instância e do primeiro ex-chefe de Estado a ser declarado culpado, desde os julgamentos de Nuremberg contra o regime nazista.

O jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung dedicou diversas reportagens à condenação e postou ainda um vídeo sobre o assunto em sua página na internet.

Verkündung des Urteils gegen Charles Taylor

Em Freetown, na Serra Leoa, pessoas assistem na televisão à divulgação da sentença de Charles Taylor, ex-Presidente da Libéria

Terror em Nairobi

“Dezenas de mortos em ataque terrorista em Nairobi” escreveu o Frankfurter Allgemeine Zeitung no dia seguinte ao ataque da milícia radical islâmica Al Shabaab, da Somália, ao centro comercial Wesdtgate, em Nairobi, no Quénia. A reportagem lembra que, por diversas vezes, a milícia ameaçou atacar o Quénia.

Especialistas em segurança do ocidente teriam apontado o shopping como possível alvo de ataques terroristas. “O centro comercial pertence parcialmente a um grupo de investidores israelenses e, também por causa de seus muitos clientes ocidentais, é um alvo clássico para terroristas islamistas,” escreve o jornal.

O jornal Berliner Zeitung também trouxe diversas reportagens sobre o ataque terrorista, ocorrido no sábado (21.09) , que deixou mais de 60 mortos e centenas de feridos.

Em uma delas, faz uma análise e pondera que o mundo não se importa quando uma bomba explode em Mogadício, mas fica chocado se o ataque é contra um shopping de luxo em Nairobi. Segundo a matéria, o fato de alguns dos atacantes terem nascido em cidades norte-americanas - como Minneapolis e Kansas City - indica que o terrorismo tornou-se um fenómeno globalizado e deve ser combatido como tal.

Ouvir o áudio 03:33

50 anos para Taylor e terror em Nairobi nas páginas dos jornais alemães

'Viúva branca'

“Interpol procura a ‚’viúva branca“ é o título da matéria do Süddeutsche Zeitung sobre a busca da Interpol pela britânica Samantha Lewthwaite. A viúva de um dos terroristas suicidas de Londres foi incluída na lista de procurados da Interpol, por um fato ocorrido em 2011. No entanto, especula-se que a mulher esteja envolvida no ataque terrorista em Nairobi, revela a reportagem.

Também o Die Tageszeitung reportou sobre a ‘viúva branca’, como Lewthwainte foi apelidada pela Interpol - que coordena as investigações do ataque em Nairobi. Segundo o jornal, “uma britânica convertida ao islã deve estar envolvida no ataque ao Westgate”.

A revista Der Spiegel enfatizou a busca da Interpol pela ‘viúva branca’ com um vídeo, no qual mostra diversas fotos da terrorista britânica. A reportagem revela que entre os terroristas que atacaram o centro comercial estavam também mulheres.

E o jornal Die Welt fez uma reportagem com o título “O medo de uma Nairóbi alemã”, em que traz uma análise sobre se ataques semelhantes ocorreriam na Alemanha. O texto revela que 120 pessoas são consideradas “perigosas”, extremistas muçulmanos, pelas autoridades de segurança, destacando não haver evidências do planejamento de ataques na Alemanha.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados