1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

2016 é o Ano Internacional das Leguminosas

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) quer consciencializar para os benefícios nutricionais das leguminosas, protagonistas em muitos mercados antes mesmo da declaração do Ano Internacional.

O grão-de-bico é uma das leguminosas com mais saída. De Itália a África, da América ao Médio Oriente, está no prato de milhões de pessoas todos os dias no mundo inteiro. Juntamente com o feijão e as lentilhas, formam um grupo alimentar rico em proteínas que pode substituir a carne.

As proteínas equivalem a cerca de 25% do peso das leguminosas: o dobro do trigo e três vezes mais que o arroz, como explica Francesco Pierri, chefe da unidade de apoio da FAO.

"Uma das vantagens das leguminosas é que são muito mais económicas do ponto de vista do preço. E isso permite um abastecimento de proteínas com menos despesas para os lares", sublinha o responsável.

Diversificação

Além de serem aliadas da segurança alimentar, as leguminosas também facilitam a rotação das lavouras. As altas taxas de nitrogénio liberadas pelas plantações ajudam na fertilização do solo.

Ouvir o áudio 02:07

2016 é o Ano Internacional das Leguminosas

"As leguminosas também podem ser trabalhadas com outras lavouras, como por exemplo cereais, o que permite a rotação das lavouras", explica Francesco Pierri.

"Isso é extremamente importante, tanto pela diversificação dos mercados como pela própria manutenção da fertilidade dos solos, e também pela possibilidade de diversificar as dietas domésticas".

Em África, entre os maiores produtores de leguminosas estão a Etiópia e a Tanzânia. Contudo, áreas de secas, como algumas partes de Moçambique e de Angola, também podem ser exploradas para a produção, uma vez que as sementes das leguminosas apresentam alta resiliência.

"Isso torna-as uma fonte muito importante de renda para milhões de pequenos agricultores que moram e produzem em áreas semi-áridas", lembra o chefe da unidade de apoio da FAO.

Mosambik Bohnen Fabrik in Niassa

Fábrica de processamento e empacotamento de feijão no Niassa, Moçambique

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados