1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

20 anos de prisão para "dama de ferro" da Costa do Marfim

Simone Gbagbo, mulher do ex-Presidente Laurent Gbagbo, foi condenada pelo seu papel nos tumultos pós-eleitorais de 2010/2011. Analistas temem que a pesada pena hipoteque os esforços a favor da reconciliação nacional.

Depois de dez horas de deliberações dos juízes e de uma longa espera dos acusados e dos seus advogados, o presidente do tribunal de Abidjan ditou a sentença de Simone Gbagbo: 20 anos de prisão. A chamada "dama de ferro" da Costa do Marfim, de 65 anos, foi acusada de constituir bandos armados e atividades contra a segurança do Estado.

"Ser sentenciada a uma pena de 20 anos de prisão é muito porque não são 20 dias", afirmou Martin Djirabou, um dos advogados da ex-primeira dama da Costa do Marfim, à saída do tribunal, por volta da uma hora da manhã desta terça-feira (10.03).

Den Haag Elfenbeinküste Präsident Laurent Gbagbo vor Gericht Dezember 2011

Laurent Gbagbo em Haia (dezembro de 2011)

"Se existissem provas e factos até poderíamos aceitar esses 20 anos. Mas quais são as bases que legitimam esta condenação? Se nos sentimos derrotados é porque a lei não funcionou e isso é lamentável para a Costa do Marfim", sublinhou ainda o advogado.

O julgamento da esposa de Laurent Gbagbo teve lugar na Costa do Marfim porque as autoridades de Abidjan recusaram a transferência de Simone Gbagbo para o Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia, na Holanda, que queria julgá-la por crimes contra a humanidade.

O ex-presidente Laurent Gbagbo está detido em Haia à espera de ser julgado por ter orquestrado uma onda de violência pós-eleitoral quando foi derrotado nas urnas pelo seu adversário Alassane Ouatara, atual Presidente da Costa do Marfim.

75 dias de julgamento

O julgamento de Simone Gbagbo teve a duração de 75 e a população marfinense viveu na angústia e na expectativa todos esses dias. No último dia do julgamento, todos os acusados, sem excepção, saudaram a paciência do tribunal e dos juízes. Disseram até que ficaram satisfeitos como desenrolou o processo mesmo que os debates tenham sido algumas vezes muito violentos.

Simone Gbagbo foi julgada juntamente com 82 pessoas próximas doa antigo Presidente, todas acusadas de atentados contra a segurança do Estado, xenofobia e de terem formado milícias armadas que mergulharam o país numa guerra civil de quatro meses.

Ouvir o áudio 04:08

20 anos de prisão para "dama de ferro" da Costa do Marfim

O advogado do Estado marfinense e das vítimas, Alain Gbokola, mostrou-se satisfeito com o veredicto do tribunal. "Não fiquei contente por ver os nossos irmãos neste julgamento. Mas não se deve esquecer que mais de três mil pessoas foram vítimas da violência pós-eleitoral na Costa do Marfim."

Durante o desenrolar do julgamento, o advogado citou casos de pessoas que foram queimadas vivas. "Por esta única razão, creio que o Estado marfinense que representamos está satisfeito com a decisão do tribunal porque pelo menos ficou demonstrado que a impunidade não existe neste país", sublinhou.

Do lado das vítimas, a sentença foi interpretada como um "alívio", segundo Issiaka Diaby, presidente do coletivo das vítimas. "Estamos felizes com a decisão do tribunal, que fez um bom trabalho, e isso demonstra que a Costa do Marfim está no caminho de um Estado de direito favorável à missão da justiça penal."

Falhas no processo?

Por outro lado, muitos simpatizantes pró-Gbagbo e muitas organizações de defesa dos direitos humanos falam de muitas falhas no processo, argumentando que nenhuma prova material foi fornecida.

Consideram também que foi "uma justiça dos vencedores" e que nenhum dignatário pró-Ouatara foi ouvido até hoje, embora esse lado também tenha participado na onda de violência pós-eleitoral. "Queremos justiça mas para todos", frisa David Samba, presidente da Associação dos Indignados da Costa do Marfim e vítima da violência pós-eleitoral.

Elfenbeinküste Kommunalwahlen Ouattara

lassane Ouattara é o único candidato às presidenciais de outubro de 2015

"Muitas outras pessoas deveriam também ser julgadas e, por isso, perguntamos porque não o fizeram? Porquê não foram condenadas e enviadas para a prisão? Não pode haver justiça na Costa do Marfim a duas ou mais velocidades. Não é admissível."

Hoje, todos os olhares estão virados para Alassane Ouattara, presidente da Costa do Marfim, de quem se espera uma lei de amnistia geral para acelerar o processo de reconciliação nacional, num país que dentro de oito meses terá que realizar um escrutínio presidencial.

O Presidente Ouattara é, por enquanto o único candidato declarado, mas para os parceiros da Costa do Marfim a participação no escrutínio da Frente Popular Marfinense, o partido pró-Gbagbo, é a única maneira de estabilizar o país.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados