1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

137 migrantes clandestinos intercetados na costa da Líbia

Migrantes de diferentes nacionalidades africanas tentavam alcançar a Europa, segundo organização de combate à imigração clandestina na Líbia.

default

Regaste de migrantes clandestinos é frenquente nesta região (Foto de Arquivo / Junho 2017)

Cerca de 140 migrantes clandestinos de diferentes nacionalidades africanas foram intercetados este domingo (06.08) ao largo das costas líbias e reenviados para terra quando tentavam chegar à Europa. O grupo incluia cinco mulheres e três crianças, indicou um responsável da luta anti-imigração.

 "137 imigrantes clandestinos foram socorridos com sucesso pelos guardas-costeiros (...) e depois forma-nos entregues", indicou à agência noticiosa AFP Amine al-Boussefi, chefe do organismo de combate à imigração clandestina de Tajoura, nos subúrbios leste de Tripoli. 

Os migrantes, de diferentes nacionalidades africanas, estavam a bordo de um barco pneumático quando foram intercetados esta manhã a cerca de 20 milhas marítimas a norte de Sayyad, uma pequena localidade costeira 30 quilómetros a oeste de Tripoli, disse à AFP o general Ayub Kacem, porta-voz da marinha líbia. 

Os migrantes foram conduzidos à base naval de Tripoli onde as autoridades líbias lhes forneceram água e alimentos. De seguida foram encaminhados de autocarro para Tajoura, onde foram entregues ao organismo de luta contra a imigração clandestina. 

Dezenas de migrantes foram reagrupados num pátio, com um pavimento de chumbo, aguardando o reenvio para outros centros de retenção, referiu ainda a AFP. 

Crise migratória

Após a revolução que derrubou o ditador Moamer Kadhafi, a Líbia tornou-se o ponto de partida principal para os migrantes que arriscam suas vidas a atravessar o Mediterrâneo em direção à Europa. 

Os últimos números da Organização internacional para as migrações (OIM) indicam que mais de 111 mil migrantes chegaram por mar à Europa desde o início de 2017, dois quais 93.500 a Itália. Mais de 2.360 morreram ao tentar a travessia.

Em fevereiro, o chefe da agência europeia de gestão de fronteiras, Fabrice Leggeri, criticou as organizações não-governamentais (ONG) que ajudam os migrantes que tentam chegar à Europa por meio do Mediterrâneo, afirmando que estas estruturas incentivam o tráfico de pessoas e não cooperam com as autoridades.

Leia mais